Tudo o que você precisa saber sobre a aprendizagem conectada

Quer saber como desenvolver a aprendizagem conectada em sua IES? Entenda o conceito, princípios e pilares dessa metodologia!
Aprendizagem conectada: fotografia de quatro estudantes utilizando diferentes dispositivos, como computador, celular e livro.

Não é surpresa para ninguém que a pandemia de covid-19 aumentou (e muito) o uso da internet entre a população: estudamos, trabalhamos, nos comunicamos e nos divertimos durante boa parte dos últimos meses em casa por meio de celulares, tablets, computadores e televisões. 

De acordo com um estudo realizado em 2020, 81% de toda a população brasileira com mais de 10 anos de idade teve acesso à rede mundial no último ano. Esses dados fazem parte de estudos  do Cetic. Br (sigla para Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação), ligado ao Comitê Gestor da Internet do Brasil. 

Nas instituições de educação superior (IES), o reflexo dessa realidade vem aparecendo há anos com o crescimento e amadurecimento do ensino a distância no país e a consolidação das tecnologias de informação e comunicação (TICs) no ambiente acadêmico. 

Para além do ensino a distância e do uso TICs nas IES, novas metodologias de ensino têm surgido para ampliar a maneira como entendemos o uso da internet e das redes na educação, como a aprendizagem conectada. 

Mas afinal, o que é aprendizagem conectada e quais são os seus benefícios para o ensino superior? A aprendizagem conectada é uma abordagem que vem ganhando cada vez mais força, abordando os diferentes âmbitos da vida de um estudante no processo de ensino-aprendizagem. Neste artigo, vamos apresentar esse conceito, seus benefícios e informações importantes para o ensino superior.

O que é aprendizagem conectada?

A aprendizagem conectada é a combinação entre interesses pessoais, conexões sociais e  oportunidades de colocar o que foi aprendido em prática na vida e na carreira. O termo vem do inglês connectecd learning e tem ganhado espaço nas discussões sobre o futuro do ensino e da aprendizagem no mundo todo. 

Segundo a Connected Learning Alliance, organização ligada à Universidade da Califórnia nos Estados Unidos para incentivo e popularização da aprendizagem conectada no mundo todo, essa abordagem educacional reflete a “aprendizagem em uma era de acesso à informação abundante e conexões sociais que agregam os diferentes contextos e interesses das novas gerações”. 

Quais são os princípios da aprendizagem conectada?

Nessa abordagem que vem ganhando cada vez mais espaço nas IES, algumas palavras-chave são fundamentais para essa proposta de ensino que tem como objetivo a utilização da tecnologia como ponto de partida para a criação de espaços de partilha de conhecimento. 

Na lista a seguir, conheça quais são os princípios da aprendizagem conectada:

 

  • Interesses em primeiro lugar: interesses e objetivos pessoais engajam e conectam o aluno na busca por conhecimento e no desenvolvimento de suas habilidades. 
  • Foco na criação: a experimentação, a produção e a criação levam a novas possibilidades de aprendizagem. 
  • Apoio dos pares: alunos e professores se ajudam mutuamente na criação de um ambiente de acolhimento, reconhecimento e apoio.
  • Propósitos compartilhados: as redes formadas tanto na instituição de ensino como na internet auxiliam na criação de uma comunidade com objetivos em comum. 
  • Foco na vida acadêmica: a passagem pela instituição de ensino é vista como uma grande oportunidade para se alcançar os objetivos e propósitos dos alunos.
  • Redes abertas: seja na instituição de ensino, seja nas redes sociais, alunos e professores compartilham seus conhecimentos, interesses e objetivos com toda a comunidade. 

Quais são os pilares da aprendizagem conectada?

Agora que você já conhece os princípios dessa abordagem, vamos entender os pilares que sustentam essa metodologia. 

De acordo com a Connected Learning Alliance, a aprendizagem conectada é composta basicamente pela intersecção entre três elementos: interesses, conexões e oportunidades.

1. Interesses

De maneira geral, interesses pessoais e hobbies geram maior motivação se aplicados à aprendizagem. O interesse em um determinado assunto ou atividade auxilia na atenção e concentração dos estudantes ao gerar mais conexões com temas de relevância para suas vidas e carreiras. 

Ao direcionar os processos educacionais aos diversos interesses, os professores atuam como facilitadores de uma aprendizagem mais profunda e persistente. Por exemplo, se os alunos têm interesse em jogos de computador ou aplicativos de celular, a aprendizagem por meio da gamificação pode gerar maior engajamento nos processos educacionais. 

2. Conexões

A aprendizagem não é um processo que se realiza sozinho: pelo contrário, aprendemos muito mais com a ajuda e apoio das pessoas ao nosso redor. A aprendizagem conectada incentiva a criação de conexões sociais e o estabelecimento de redes de relacionamento entre o aluno e seus pares, sejam eles os professores ou outros estudantes da IES. 

Pesquisas mostram que ter uma forte conexão com um membro da IES dobra os retornos positivos trazidos pela passagem no ensino superior. Assim, manter uma comunidade acadêmica engajada traz benefícios não só para o bem-estar de todos os alunos, professores e demais colaboradores da IES, mas colabora com a aprendizagem e a carreira depois do término do curso.

3. Oportunidades

Por último, mas não menos importante, outro pilar da aprendizagem conectada são as oportunidades que os estudantes buscam em suas carreiras e outros objetivos de vida. O que é aprendido dentro e fora da sala de aula deve possuir conexão com o dia a dia da profissão escolhida, criando um sentido para o estudante durante toda a trajetória no curso superior.

Cabe à IES fomentar um ambiente favorável na criação e atração de oportunidades para seus alunos e aumentar o envolvimento com o público. Isso pode acontecer por meio de eventos e feiras com profissionais do mercado de trabalho, cursos extracurriculares e outras atividades que conectem a comunidade acadêmica às diversas possibilidades de atuação nas carreiras oferecidas. 

Quais são os benefícios da aprendizagem conectada?

Agora que você já conhece o que é a aprendizagem conectada, vamos conhecer também alguns dos incentivos dessa maneira de pensar a educação para aplicar em sua IES. Conforme as pesquisas da Connected Learning Alliance vêm mostrando, alguns dos benefícios da aprendizagem conectada são:

1. Sentimento de pertencimento

Os alunos se sentem parte de algo maior ao compartilhar suas vontades com os interesses de toda a comunidade acadêmica, criando um espaço de partilha e diálogo na instituição. 

2. Maior engajamento

Ao centrar o processo de ensino e aprendizagem a partir de seus próprios temas de interesse, os estudantes ficam mais envolvidos nas atividades. 

3. Melhora das habilidades digitais

A aprendizagem conectada se utiliza muito das redes sociais e outras plataformas digitais para pesquisa e a criação de redes de relacionamento, logo, novas ferramentas são descobertas e os usos de ferramentas já conhecidas também são aprimorados.

4. Melhora nas habilidades acadêmicas

Com o aluno e seus interesses no centro do processo de aprendizagem, ganha-se autonomia e liberdade para construir seu próprio caminho durante o curso. 

5. Senso de oportunidade

Ao buscar ativamente novas oportunidades ligadas à sua carreira antes e depois do diploma, o aluno passa a aproveitar melhor as possibilidades trazidas pelos seus interesses e redes de contato criadas na IES.

A aprendizagem conectada também é uma maneira de lidar em sala de aula com a abundância de informações e conteúdos que podem ser encontrados na internet. Como explica Mimi Ito, professora da Universidade da Califórnia e parte da Connected Learning Alliance, a profusão de conteúdos que podem ser acessados a qualquer momento e em qualquer lugar torna o aluno mais propenso a encontrar exatamente o que é mais relevante de acordo com seus interesses.

Com o advento dos vídeos, o conhecimento apresentado online não é apenas mais conveniente, abundante e relevante, mas apresentado num formato muito mais acessível e envolvente do que o livro tradicional”, avalia a professora. Segundo ela, os jovens que cresceram junto à internet tiveram esses recursos digitais como sua primeira opção na busca por informação, novos interesses ou solução de problemas.

Nesse cenário, a tecnologia na educação se mostra como uma grande aliada na aprendizagem conectada. Por exemplo, o uso de redes sociais, smartphones e tablets na sala de aula ajuda na criação de conexões entre os alunos e compartilhamento de seus interesses. Depois de conhecer o que é a aprendizagem conectada e quais seus benefícios, agora chegou o momento de saber como aplicá-la em sua instituição de ensino. 

Como aplicar a aprendizagem conectada na IES?

Como podemos observar pela avaliação da especialista, ao construir uma relação benéfica entre professor e tecnologia, a instituição pode dar os primeiros passos na construção de um ambiente de aprendizagem conectada. Porém, como aplicar a aprendizagem conectada na IES?

Mais do que a instituição de ensino ter ao seu alcance equipamentos de última geração, o espaço acadêmico deve ser transformado por meio de práticas que possuem foco nos interesses, conexões e oportunidades dos alunos. Nessa receita, são combinados os propósitos e as habilidades de toda a comunidade. 

Preparamos para você uma lista com alguns preceitos que fundamentam as práticas da aprendizagem conectada em uma IES:

1. Promoção dos interesses dos alunos

Na criação de um ambiente de aprendizagem conectada, é preciso conhecer o que realmente motiva os alunos e integrar seus interesses às diferentes metodologias de ensino da instituição. 

Para isso, a IES precisa oferecer as condições necessárias para a promoção desses objetivos, como espaços, equipamentos de acesso à internet e disponibilidade de professores no processo de facilitação da aprendizagem. 

2. Práticas compartilhadas

Um dos principais pilares da aprendizagem conectada são as conexões e as redes de relacionamentos criadas por aqueles que fazem parte de uma instituição de ensino. 

Por meio do compartilhamento de atividades durante todo o processo de ensino, alunos e professores aprendem e criam juntos em um espaço de troca e partilha de conhecimento e oportunidades para todos. 

3. Propósitos da comunidade

Como podemos observar, a aprendizagem conectada vai muito além de uma sala de aula: toda a comunidade acadêmica participa na partilha de propósitos e objetivos em comum. Alunos que se sentem pertencentes a uma IES possuem mais incentivos para contribuir com as pessoas ao seu redor e estabelecer redes com seus colegas e professores. 

Uma comunidade acadêmica saudável também ajuda no acolhimento daqueles que passam por dificuldades na aprendizagem, trazendo para o grupo e dando suporte para suas necessidades. 

4. Conexões em todos os níveis

Ao longo de sua passagem pela instituição, o aluno passa por diferentes etapas de aprendizagem, faz parte de novos grupos e muda seus interesses de acordo com as oportunidades que surgem com o passar do tempo. 

Para alcançar os objetivos da aprendizagem conectada, a IES deve promover as conexões em todas as etapas do percurso formativo, criando assim redes de relacionamento diversas e com múltiplas possibilidades. 

Esperamos que você tenha gostado de saber mais sobre a aprendizagem conectada. Já que está interessado em conhecer novas metodologias, aproveite para conferir também o nosso guia de metodologias ativas!

Você também pode gostar

Curso de Direito EaD?
A Saraiva Educação preparou várias trilhas de aprendizado explicar como implementar na sua IES.

Artigos em destaque

Inscreva-se em nossa newsletter e receba nossos conteúdos em primeira mão!

Deseja manter-se sempre atualizado? Receba quinzenalmente uma seleção de materiais sobre a educação superior — é só informar seu melhor endereço de e-mail!

[KIT GRATUITO]

Advogado do futuro: dicas para preparar os estudantes de sua IES

Em comemoração ao Dia do Advogado, criamos um kit de materiais gratuitos com os nossos principais conteúdos para que a sua IES apoie os advogados em formação.