Por que e como desenvolver aulas híbridas no ensino superior?

Como as aulas híbridas funcionam? Como a avaliação do conhecimento é realizada? Qual é o papel do professor? Confira neste artigo completo!

Compartilhe este artigo

As aulas híbridas já eram um assunto que apontava como tendência há alguns anos. Inclusive, muitas instituições de ensino já adotavam esse tipo de ensino pelo mundo.

E, com a pandemia de coronavírus, a educação híbrida vem recebendo ainda mais atenção. Isso porque essa modalidade de ensino aparece em destaque entre as possíveis soluções para retomada de aulas presenciais.

As aulas híbridas não são inteiramente presenciais, e fazem parte da categoria de ensino semi-presencial. É exatamente por isso que esse formato está sendo cotado para retomada das aulas. Uma vez que, com esse modelo, não é necessário ter todos os alunos presencialmente nas instituições de educação superior (IES) de uma só vez.

Mas se engana quem acha que o ensino híbrido serve apenas como uma solução transitória para uma retomada gradual do ensino presencial. Essa é uma tendência que veio para ficar e apresenta diversos benefícios para IES e para os estudantes.

Neste texto, falamos mais sobre o que são as aulas híbridas, como elas funcionam, seus objetivos, vantagens e muito mais! Siga a leitura e descubra também como fazer o planejamento para o ensino superior e deixar as aulas mais eficientes!

O que é uma aula híbrida?

As aulas híbridas são vistas como uma forma de mesclar ferramentas, metodologias e estratégias do ensino presencial tradicional e da Educação a Distância (EaD).

Dessa forma, o ensino híbrido se configura como um tipo de educação semipresencial. 

Esse formato também é conhecido como blended learning. E ele é capaz de reorganizar tempo e espaço de aula, além de transformar os papéis dos professores e dos alunos.

Isso porque, no geral, as aulas híbridas fazem uso de metodologias ativas, que, por sua vez, colocam os alunos como protagonistas de seu próprio processo de aprendizagem. Nesse sentido, os professores assumem um papel muito mais focado em auxiliar e orientar os estudantes, e não apenas de transmitir seus conhecimentos.

Na verdade, muitos pesquisadores da área da educação incluem o ensino híbrido como um tipo de metodologia ativa. Afinal, apenas pelo fato de ser semipresencial, esse tipo de formato já exige mais autonomia e protagonismo dos estudantes.

Banner de divulgação do ebook gratuito "Tendências 2021 para o ensino superior". Link para download: https://materiais.saraivaeducacao.com.br/lp-ebook-tofu-tendencias-2021?utm_source=blog-saraiva-educacao&utm_medium=banner-artigo&utm_campaign=material-rico

Como as aulas híbridas funcionam?

As aulas híbridas, diferente das classes presenciais tradicionais, se apoiam e fazem um amplo uso de ferramentas e dispositivos tecnológicos. Essa é uma grande contribuição do formato EaD para o modelo semipresencial.

De maneira geral, o ensino híbrido funciona da seguinte forma:

  1. Parte do curso acontece online, a distância. Nesses momentos, os alunos assumem maior autonomia para estabelecer e controlar seu aprendizado como preferirem. Seguindo, claro, as determinações e prazos prévios da IES.
  2. Em outras partes do curso ou da disciplina, a condução das aulas é feita por professores presencialmente ou de forma síncrona online. É aqui que os estudantes dialogam e debatem entre si, tiram suas dúvidas com os professores, entre outras interações.

Como vimos, as aulas híbridas dependem dos dispositivos tecnológicos. Afinal, é por meio deles que os estudantes acessam seus conteúdos e aulas online. Além disso, recursos digitais podem e devem ser utilizados para interação entre estudantes e com os professores.

Atividades avaliativas e de estudo também podem ser feitas online, utilizando as ferramentas disponíveis nas plataformas de aprendizagem da IES.

Qual o principal objetivo do ensino híbrido?

A educação híbrida tem como principal objetivo unir os elementos, ferramentas, metodologias e possibilidades do ensino presencial e do online.

Além disso, esse modelo de educação também soluciona problemas e dificuldades de estudantes que não podem acompanhar as aulas presenciais tradicionais. Muitos cenários contribuem para esse cenário, visto que milhares de alunos podem ter limitações de tempo e transporte que os impedem de ir até a IES que desejam frequentar na frequência do ensino tradicional.

Com o ensino híbrido, essa dor é solucionada e os estudantes conseguem efetuar seus estudos com maior liberdade e disponibilidade.

Mesmo esse não sendo um objetivo declarado da educação híbrida, esse formato também colabora para a modernização do ensino. Afinal, ele integra as tecnologias contemporâneas ao dia a dia de estudo dos alunos e dos estudantes e usa esses dispositivos e ferramentas em prol da aprendizagem.

Quais os benefícios das aulas híbridas no ensino superior?

O ensino híbrido apresenta inúmeros benefícios para as instituições de educação superior e também para os estudantes. Veja a seguir:

Vantagens da educação híbrida para professores e IES

Confira abaixo os principais benefícios das aulas híbridas para a IES e seus professores:

  • Otimiza a elaboração do plano de aula, que no decorrer do texto veremos como pode ser feito!
  • Garante maior comprometimento e engajamento dos alunos.
  • Maximiza o aproveitamento das aulas e dos conteúdos.
  • Otimiza o tempo dos professores.
  • Possibilita o debate sobre temas que vão além do cronograma curricular.
  • Permite maior personalização de conteúdos.
  • Contribui para redução de despesas para IES.
  • Reduz a evasão dos estudantes.
  • Faz uso de metodologias inovadoras de aprendizagem ativa.
  • Favorece o desenvolvimento de novas habilidades para professores e alunos.

Benefícios do ensino híbrido para estudantes

Agora é hora de vermos também as vantagens do ensino híbrido para os alunos da sua IES:

  • Promove maior autonomia e protagonismo dos estudantes.
  • Permite um aprendizado mais contemporâneo e atualizado.
  • Representa uma redução de custos para os estudantes, se comparado com aulas presenciais tradicionais.
  • Otimiza o tempo dos alunos.
  • Permite maior estreitamento de relações interpessoais que o formato EaD.
  • Aproxima a realidade acadêmica das práticas do cotidiano.
  • Permite o desenvolvimento de novas competências.
  • Possibilita a flexibilização dos estudos.
  • Faz uso constante e consciente das tecnologias atuais.
  • Facilita o aprendizado por meio dessas tecnologias.

Para saber mais sobre cada um dos benefícios do ensino híbrido, leia também o nosso artigo especial sobre o tema: 8 vantagens do ensino híbrido para a sua IES

Como aplicar as aulas híbridas na IES?

Para aplicar e desenvolver aulas híbridas na sua IES corretamente, é necessário adequar o plano pedagógico da instituição para essa nova modalidade.

A estrutura da IES, o perfil dos alunos e professores e os equipamentos disponíveis também devem ser analisados e adequados.

Abaixo, você confere os 5 principais passos para aplicação do ensino híbrido na sua IES:

1. Considerar as especificidades do curso

Ao planejar a criação ou adaptação de um curso para modalidade híbrida, é necessário decidir qual a melhor maneira de aplicar esse formato para cumprir os objetivos do curso.

Lembre-se de definir também um público-alvo de estudantes, quais serão as capacidades desenvolvidas, que tipo de formação será oferecida, entre outros critérios estratégicos.

2. Estabeleça a quantidade de aulas online ou presenciais

Cabe à IES definir quantas horas/aula serão disponibilizadas para os alunos online e quantas devem ser feitas presencialmente ou ao menos de forma síncrona por meios virtuais.

Isso pode variar de curso para curso, dos tipos de tecnologias utilizados e da legislação de cada curso e modalidade.

3. Faça uso das tecnologias mais adequadas

A tecnologia é um fator determinante para definir a qualidade do ensino híbrido oferecido pela sua IES.

Afinal, ela é utilizada para realização de aulas, interação entre alunos e professores, entrega de trabalhos e atividades, entre outras ações.

Por isso, é importante que a IES adote ferramentas e plataformas completas que se adequem às necessidades da instituição e de seus estudantes.

4. Capacite os professores da IES para a nova modalidade 

O corpo docente deve ser capacitado para utilizar a tecnologia escolhida para o ensino híbrido.

E além de aprender a manejar as ferramentas da melhor forma, os professores também devem ser capacitados a respeito das metodologias ativas que melhor se adequam à educação híbrida.

5. Crie engajamento entre e com os estudantes

Falamos muito sobre a autonomia e o protagonismo dos alunos nos processo de aprendizagem do ensino híbrido. Entretanto, isso não significa que eles devem ser deixados de lado para se descobrirem sozinhos.

É importante que a IES estimule e engaje seus estudantes com o projeto pedagógico do curso, mesmo no formato híbrido.

Para isso, defina bem os primeiros passos do planejamento de curso híbrido para garantir o interesse dos alunos no curso desde o início.

Leia também: Saiba como desenvolver o ensino híbrido na prática em sua IES

Qual o papel dos professores nas aulas híbridas?

No ensino híbrido, o papel dos professores na sala de aula passa por algumas transformações profundas.

Os docentes passam a atuar como mentores. Eles devem estar aptos para impulsionar os estudantes rumo a uma postura mais crítica e autônoma.

Além disso, cabe ao professor no ensino híbrido acompanhar as questões individuais de cada aluno, para dar vazão ao que funciona melhor para a aprendizagem de cada estudante.

Para essas avaliações de rendimento individual dos alunos e de toda a turma, os professores contam com dados gerados pelas ferramentas digitais usadas no ensino híbrido.

Assim, de forma resumida, no ensino híbrido os docentes devem saber como interagir com os alunos, acompanhar seu desenvolvimento, analisar os dados e aprimorar os processos de aprendizagem de cada aluno.

Leia também: Entenda qual é o papel do professor em um modelo de ensino híbrido

Como desenvolver um plano de aula híbrida?

Assim como nas aulas tradicionais, as aulas híbridas necessitam de um plano de aula bem desenvolvido para que possam ser bem aproveitadas.

E, seguindo o molde dos planos de aula já conhecidos, esse documento para ensino híbrido detalha os assuntos que serão abordados na disciplina, organiza e esquematiza as metodologias aplicadas, além do cronograma de atividades.

Veja a seguir os passos para elaboração de um bom plano de aulas híbridas:

  1. Identifique o plano de aula com um cabeçalho completo.
  2. Defina os objetivos da disciplina com clareza.
  3. Liste e especifique as temáticas que serão abordadas no decorrer da disciplina.
  4. Explique as metodologias de ensino que serão empregadas.
  5. Estabeleça o cronograma das aulas.
  6. Defina os métodos de avaliação.
  7. Informe as referências bibliográficas obrigatórias e optativas.

Quais práticas tornam as aulas híbridas mais eficientes?

Apesar de ser um formato recente, muitas práticas eficientes já são bem estabelecidas para o ensino híbrido.

Elas garantem um melhor rendimento e aproveitamento das aulas híbridas e são baseadas em metodologias comprovadamente eficientes.

Conheça alguns exemplos:

1. Sala de aula invertida

No modelo de sala de aula invertida, os conteúdos da disciplina são enviados para os alunos com antecedência, para que eles possam estudá-los com tempo antes das aulas.

Assim, os alunos devem chegar em sala com as informações e conceitos em mente. O momento de encontro coletivo serve então para troca de ideias, resolução de dúvidas, debates, aplicações práticas, entre outras atividades.

2. Flex

Os estudantes recebem roteiros de estudo via plataformas digitais e realizam suas atividades propostas também nessa ferramenta.

Em outros momentos, há aulas síncronas e momentos de reuniões em grupo para desenvolvimento de trabalhos com outros alunos.

3. Rotação

Existem diferentes modelos de ensino híbrido por rotação. Mas de forma geral, todos eles se baseiam na criação de diferentes espaços de ensino-aprendizagem pelo professor.

Esses espaços podem ser dentro ou fora da sala de aula e das dependências da IES, podendo ser inclusive online.

Nesses espaços, grupos distintos de estudantes revezam entre suas diferentes atividades de acordo com o roteiro e as orientações estabelecidas pelo professor.

Leia também: Conheça 8 modelos de ensino híbrido para aplicar em sua IES

Como avaliar no ensino híbrido?

As avaliações de desempenho no ensino híbrido podem se dar em diferentes formatos. Tudo vai depender dos objetivos da disciplina e das metodologias aplicadas.

Um diferencial do ensino híbrido é que as atividades avaliativas podem ser desenvolvidas, feitas e entregues por meio de plataformas virtuais de educação, que permitem o uso de diferentes mídias e formatos.

Esperamos que este artigo tenha esclarecido suas principais questões a respeito das aulas híbridas e sobre como desenvolvê-las em sua IES. Se você deseja saber mais sobre esse modelo educacional e se aprofundar na temática sobre sua aplicação, aproveite e confira nossa publicação especial: ensino híbrido: desafios e oportunidades para aplicação no ensino superior

Artigos Relacionados