Entenda o que é um banco de questões Enade, como funciona e sua importância

O objetivo do Enade é avaliar o desempenho de estudantes e, consequentemente, das IES às quais eles fazem parte. 

Este Exame é utilizado pelo MEC para mensurar o nível de qualidade das graduações oferecidas pelas Instituições de Ensino Superior. E é por isso que ele é extremamente importante para toda a comunidade acadêmica. 

Portanto, investir em uma preparação para este Exame é importantíssima. Porém, nem sempre coordenadores e professores possuem tempo de sobra para pensar em simulados e provas que preparem os estudantes de modo eficaz, e é aí que entram os benefícios de um banco de questões Enade. 

Se você não sabe o que é isso, este artigo foi feito para você. Nele vamos te contar o que é essa ferramenta, como ela funciona e sua importância. Para conferir este conteúdo, basta seguir na leitura! Vamos lá?

O que é um banco de questões Enade?

Um banco de questões Enade é, nada mais, nada menos, que um compilado de questões inéditas que seguem o modelo do Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes. 

As questões devem seguir a taxonomia e objetivos educacionais de Bloom, a fim de estimular o pensamento crítico dos estudantes. 

Isso porque as questões do Enade não são simples, ao contrário, elas envolvem raciocínio lógico e contextualizado. A prova é baseada em habilidades e competências que buscam avaliar o aluno de acordo com o que o mercado de trabalho atual tem exigido dos profissionais. 

Muito bem, depois de saber o que é essa ferramenta, é necessário entender por que contar com um banco de questões Enade em sua IES. A seguir te contamos melhor sobre esse assunto. Acompanhe!

Por que contar com um banco de questões Enade em minha IES?

Como mencionamos, o Enade é muitíssimo importante para toda a comunidade acadêmica. O Ministério da Educação levará a nota dos estudantes em consideração para avaliar o curso e a IES. 

Além disso, a partir da análise das notas será possível verificar deficiências em determinadas habilidades e competências dos estudantes e assim trabalhá-las de modo mais eficaz. Isso irá preparar o universitário para o que o mercado de trabalho espera dele como profissional.

Servindo como uma espécie de nivelamento, a nota no Enade pode ser utilizada como um parâmetro de qualidade. Logo, se a nota for satisfatória, a tendência é que mais alunos queiram se matricular em sua IES. Por outro lado, se a nota for menor que o esperado, muitos estudantes podem deixar a sua Instituição e outros tantos pensaram antes de se matricular.

Por tudo isso, a preparação para este Exame é fundamental, caso você queira que sua IES tenha destaque, mantenha os alunos matriculados e atraia novos estudantes

Como sabemos, a vida de coordenadores e professores é bastante atarefada e, apesar de a preparação para o Enade ter que fazer parte do planejamento de todos os cursos, nem sempre é fácil pensar em estratégias educacionais que, de fato, façam que o estudante saia da graduação preparado para essa prova tão importante. 

Nesse sentido, um banco de questões Enade surge como alternativa viável, já que irá otimizar o tempo de professores e coordenadores que não precisarão pensar na elaboração de cada questão e poderão se dedicar mais ainda às práticas pedagógicas. 

Contar com um banco de questões também irá favorecer um diagnóstico certeiro acerca das deficiências dos estudantes, o que irá permitir aos professores trabalhar essas questões de modo assertivo. 

Leia também: o que mudou no Enade 2020?

Bom, agora que você está convencido da importância de se ter um banco de questões Enade em sua IES, deve estar se perguntando como escolher um banco de questões que seja realmente qualificado e prepare os estudantes de sua instituição de modo efetivo. 

Como escolher um banco de questões Enade para a minha IES?

Sabendo da importância do Enade para todos que fazem parte do Ensino Superior, plataformas online de educação já têm pensado e criado bancos de questões que atendem às demandas das IES. 

No entanto, é necessário levar alguns fatores em consideração na hora de escolher uma plataforma parceira, certo? Então, confira alguns dos critérios aos quais você deve se atentar:

  • A plataforma online é amplamente conhecida e possui um bom reconhecimento quanto aos produtos que ela oferece?
  • As soluções oferecidas pela plataforma atendem às demandas da minha IES?
  • As provas e simulados do banco de questões dessa plataforma online seguem, de fato, a taxonomia de Bloom e exigem que os alunos pensem criticamente?

Essas e outras questões devem ser levadas em conta, para que você não faça uma parceria com uma plataforma que não atende completamente suas expectativas. 

Logo adiante vamos apresentar a você uma das melhores e mais conhecidas plataformas online que oferece soluções produtivas e de qualidade, como um banco de questões Enade: a Saraiva.

Por que o banco de questões Enade oferecido pela Saraiva é o melhor para minha IES?

A Saraiva está no mercado há bastante tempo e isso significa que ela tem se consolidado, cada vez mais, como uma empresa de confiança.

Uma das soluções mais interessantes e efetivas que a Saraiva tem pensado e colocado em prática é a Solução Enade. 

Dentro dessa Solução, a sua IES irá contar com:

  • construção de avaliação e simulados, com geração de dados estatísticos para tomada de decisões pedagógicas;
  • banco de questões para 96 cursos;
  • mais de 12 mil itens originais;
  • mais de 8 mil questões de provas antigas do Enade com comentários por alternativa;
  • relatórios diagnósticos a partir dos simulados, permitindo previsibilidade do conceito Enade da sua IES e alinhamento do PPC.

Viu só como a Solução Enade da Saraiva é a melhor escolha para sua IES? 

Pois bem, esperamos que você tenha gostado de conhecer o que é um banco de questões Enade e tenha entendido a importância de se contar com uma plataforma que ofereça essa solução à sua IES. Inclusive, se você ficou interessado e quer conhecer melhor a solução Enade oferecida pela Saraiva, basta falar com um especialista!

Conheça 8 metodologias de ensino inovadoras para sua IES

O avanço tecnológico e a transformação da sociedade trouxeram novos rumos para o processo de ensino-aprendizagem. A necessidade de transformação do ambiente acadêmico em um espaço vivo e a importância da retenção dos alunos faz com que metodologias de ensino inovadoras sejam desenvolvidas e aplicadas nas IES. 

As metodologias de ensino inovadoras — das quais muitas são metodologias ativas vêm oferecer a quebra do paradigma da educação unilateral, onde apenas o professor possui um papel ativo. 

A educação centrada no professor com o intuito apenas de formação choca com o cenário atual, onde a internet e o desenvolvimento das tecnologias de comunicação transformaram profundamente a sociedade. 

O princípio básico das metodologias de ensino inovadoras é proporcionar ao aluno uma emancipação no processo de aprendizagem, onde a somatória das ferramentas disponibilizadas e a vontade de adquirir conhecimentos se unem para que o aprendizado ocorra de forma autônoma. O professor nesse sentido passa a ter o papel de orientação, aquele que provoca e fomenta o conhecimento.

Listamos, abaixo, 8 metodologias ativas que contribuem para a formação do conhecimento dos alunos e levam inovação para a sua IES. Confira!

1. Aprendizagem criativa

A proposta da aprendizagem criativa vem com o intuito de promover uma educação com mais significado, permitindo que o estudante aproveite materiais diversos disponíveis para dar forma e significado no aprender. 

A metodologia da aprendizagem criativa é baseada em 4 princípios: 

  • Projeto: a proposta de um desafio;
  • Paixão: a ideia de despertar a paixão pelo que se foi proposto; 
  • Parceria: a ajuda de pessoas de fora para auxiliar na resolução dos desafios;
  • Brincar: a experimentação do que foi executado, o colocar em prática.

2. Aprendizagem baseada em projetos

A metodologia de projetos, também conhecida como aprendizagem baseada em projetos, (do inglês, Problem-Based Learning – PBL) é proposta por meio de um longo trabalho investigativo, a partir de uma pergunta/desafio de alta complexidade. 

Com a pergunta lançada aos alunos, é iniciado o trabalho de pesquisa e de formulação de hipóteses até chegar nas resoluções. A metodologia de projetos complementa as aulas expositivas, podendo ser utilizadas para agregar o que já está sendo trabalhando 

3. Aprendizagem baseada em problemas

A terceira opção entre as metodologias inovadores de ensino que trouxemos para você é a aprendizagem baseada em problemas (ABP), uma metodologia que oferece ao aluno, além da aquisição de conhecimentos, o desenvolvimento de habilidades e competências, uma vez que, para solucionar o problema proposto, ele deve estar em integração. 

As principais vantagens da ABP são: 

  • estimulação da criatividade e do pensamento crítico;
  • promoção de conhecimento e motivação;
  • desenvolvimento de habilidades e competências.

A metodologia baseada em problemas se assemelha em diversos pontos com a metodologia baseada em projetos, pois ambas trabalham de forma colaborativa a fim de solucionar algo, porém, são metodologicamente diferentes. 

A metodologia baseada em projetos prevê a realização de um produto, enquanto a metodologia baseada em problemas promove uma resposta por meio de um trabalho cooperativo de investigação, diálogo e pesquisa.

4. Aprendizagem baseada em equipes

A metodologia baseada em equipes, ou Team-based learning (TBL), tem o objetivo de desenvolver níveis altos de aprendizagem como análise, criatividade e aplicação através da realização de tarefas por pequenos grupos. 

Essa metodologia inovadora de ensino é formada por três etapas:

  • preparação: a preparação é um trabalho realizado individualmente pelo aluno para que esteja preparado para as próximas tarefas. São realizados estudos, leituras prévias, experimentos, etc;
  • garantia do preparo: a garantia o preparo é constituída por algumas pequenas etapas. São realizados questionários, a fim de garantir o preparo individual e, posteriormente, há uma discussão em grupo em que cada membro argumenta a sua escolha;
  • aplicação de conceitos: a aplicação de conceitos é a etapa mais longa da metodologia, em que os alunos realizam exercícios práticos para a consolidação do conhecimento baseado em quatro princípios, conhecidos em inglês como 4s: problema significativo (Significant), mesmo problema (Same), escolha específica (Specific) e relatos simultâneos (Simultaneous report);

5. Metodologia Ágil

Se você conhece um pouco sobre metodologias de ensino inovadoras, provavelmente já ouviu falar sobre metodologias ágeis.

A metodologia ágil foi criada como resposta aos métodos pesados para desenvolvimento de softwares, e é baseada em quatro pilares: 

  • indivíduos e interações mais que processos e ferramentas;
  • softwares em funcionamento mais que documentação abrangente; 
  • colaboração com cliente mais que negociação de contrato; 
  • responder às mudanças mais do que seguir o plano.

A metodologia prevê o aluno como protagonista de seu aprendizado, dispondo de um ensino menos conteudista e mais prático.

6. Ensino Híbrido

O ensino híbrido, ou blended learning utiliza de atividades online e presencial para o aprendizado do aluno, captando o que há de melhor em cada um dos modelos. O aluno se ocupa de atividades e aprendizagens com a liberdade e flexibilidade de ambiente.

Porém, muito se engana quem acredita que o ensino híbrido é apenas a inserção de atividades online nas disciplinas. É necessária uma mudança na organização da sala de aula, do tempo na escola e do plano pedagógico. Alguns dos métodos mais utilizados são: Sala de aula invertida, rotação individual, rotação coletiva e rotação por estações.

7. Educação Maker

A metodologia Maker foi criada a partir da cultura Maker, que acredita que todos podem construir e consertar seus próprios objetos. Essa metodologia foge dos padrões das aulas expositivas. As aulas são focadas em “colocar a mão na massa”, uma vez que os alunos têm a oportunidade e os recursos necessários para desenvolver e testar novas ideias. 

O compartilhamento, experimentação e o desenvolvimento de suas próprias ideias é o que faz os alunos a se tornarem protagonistas do aprendizado utilizando da transdisciplinaridade. 

8. Design thinking

A metodologia design thinking é utilizada para a resolução de problemas, tendo como foco central as necessidades individuais. 

Ela é dividida em cinco etapas: descoberta, interpretação, ideação, experimentação e evolução. 

Nas duas primeiras etapas (descoberta e interpretação), os desafios são construídos, para que na fase de ideação, as ideias surjam e tomem formas na quarta fase (experimentação). A última fase é a evolução, que se trata do desenvolvimento do trabalho.

Gostou de conhecer melhor sobre algumas metodologias de ensino inovadoras? Aproveite para conferir a gravação do nosso webinar sobre educação 4.0 e fique ainda mais por dentro do assunto!

O que é Conceito Preliminar de Curso e como melhorá-lo em minha IES?

“Confira a lista de instituições de ensino superior com nota máxima em avaliação do MEC”. “Apenas 2% das instituições de ensino superior têm nota máxima em avaliação do MEC”. Essas foram algumas das manchetes que estamparam um dos principais portais de notícia do país no dia em que o Ministério da Educação liberou as notas dos índices que avaliam as IES brasileiras no ano passado.

Se você ainda tem dúvidas sobre quais índices do MEC deve se manter atento para a sua IES, tenha a certeza que o Conceito Preliminar de Curso (CPC) é um deles. 

Apesar de ser um medidor de desempenho e qualidade dos cursos utilizado pelo governo para regulamentações, ele é um forte fator social que influencia a escolha dos alunos na hora de optar por qual instituição ingressar. 

O CPC conta com uma escala de conceitos que vai de 1 a 5. Para ser considerado satisfatório, um curso deve alcançar notas a partir de 3, sendo que as IES com média inferior a 3 são vistoriadas e visitadas pelo Inep para uma avaliação mais minuciosa.

Você está atento ao Conceito Preliminar de Curso da sua IES? Sabe como ele é calculado e como pode melhorá-lo? Abaixo conversamos um pouco mais sobre isso.

Afinal, o que é o Conceito Preliminar de Curso e como ele é calculado?

O CPC é um indicador de qualidade que avalia os cursos de graduação levando em conta o desempenho dos estudantes, corpo docente, infraestrutura, recursos didático-pedagógicos e demais insumos estruturais de uma IES.

Ele é calculado anualmente a partir de quatro parâmetros que têm pesos específicos na nota final:

  • Desempenho dos Estudantes (20%): mensurado a partir das notas dos estudantes concluintes do curso no Enade.
  • Valor agregado pelo processo formativo (35%): mensurado a partir do IDD (Indicador de Diferença entre os Desempenhos Observado e Esperado). Para esse cálculo é levado em conta o desempenho do aluno e suas características no momento em que entra e sai do curso e demais elementos variados que afetam o seu desempenho de estudante.
  • Corpo Docente (30%): baseado em informações obtidas a partir do Censo da Educação Superior sobre a titulação e o regime de trabalho dos docentes vinculados aos cursos avaliados. Aqui é levado em conta fatores como a proporção de mestres (7,5% do conceito), a proporção de doutores (15%) e a de professores em regime de trabalho parcial ou integral (7,5%).
  • Percepção Discente sobre as Condições do Processo Formativo (15%): a partir das respostas do Questionário do Estudante (que os alunos preenchem durante o Enade). Nesse quesito são avaliados e levado em conta informações referentes à organização didático-pedagógica da IES, sua infraestrutura e instalações físicas e as oportunidades de ampliação da formação acadêmica e profissional. 

Leia também: saiba como aumentar a nota do Enade em sua IES

Vale lembrar que a maior parte dessas avaliações têm seus dados comparativos recolhidos durante os procedimentos obrigatórios que envolvem a realização do Enade. 

Esses procedimentos envolvem todas as IES (de ensino presencial ou EAD) que tiveram pelo menos dois estudantes concluintes participantes do Enade e dois estudantes ingressantes registrados no Sistema Enade. 

Onde encontrar o CPC de um curso?

Todos os índices calculados pelo Ministério da Educação, inclusive o Conceito Preliminar de Curso, encontram-se disponíveis no portal online do e-MEC

Para acessar o CPC de qualquer IES, entre no site e clique na opção “Consulta Avançada”. Aparecerá um formulário com diversos campos, procure pelo campo “Índice” e escolha a opção CPC. Depois disso, basta preencher informações como nome da IES, estado ou cidade desejados e finalizar clicando em “Pesquisar” ao final do formulário.

Se você se deparar com a sigla SC (sem conceito) ao invés da nota de alguma instituição significa que não houve alunos suficientes para avaliação.

Você tem também diversas opções para refinar sua busca, como escolher por categorias administrativas ou modelo de organização acadêmica. Por esse portal você pode encontrar ainda os resultados de outros medidores calculados pelo MEC.

Lembre-se que o CPC começou a ser calculado em 2007, então não é possível encontrar registros anteriores a essa data. 

Confira também: compare o seu desempenho no Enade com o de seus concorrentes gratuitamente

Como melhorar o CPC da minha instituição?

Agora que você já entendeu o que é e a importância do CPC, vamos conversar sobre algumas dicas que podem te auxiliar a melhorar a sua atuação nesse índice!

1. Prepare e conscientize os alunos sobre o ENADE

20% do conceito que determina o CPC é determinado pela nota dos alunos concluintes do curso no Enade. 

Essa mesma nota ainda é um dos principais componentes que determina o conceito do IDD (Indicador de Diferença entre os Desempenhos Observado e Esperado), que representa 35% do Conceito Preliminar de Curso. Ou seja, um bom desempenho dos alunos no ENADE é fundamental para a sua IES.

No entanto, pelo Enade ser uma avaliação extra curricular, longa, que demanda deslocamento e que acontece no final de semana, não é incomum que ela seja desprezada pelos alunos, mesmo sendo fundamental para a obtenção do diploma.

Muitas vezes, isso acontece pois a obrigação legal do aluno é comparecer à prova, e não é demandado dele qualquer desempenho mínimo. 

Mas, por mais que essa relação possa parecer um beco sem saída, te garantimos que não é. 

Existem diversas maneiras de engajar e envolver os alunos com o Enade e construir bons resultados para a instituição. Todavia, essa é uma construção contínua que acontece desde o início do curso e envolve a conscientização dos alunos, incentivos e uma infraestrutura que potencialize a preparação deles (como plataformas digitais dinâmicas de estudo e simulados). 

2. Esteja atento à formação da sua equipe docente

Escolher os profissionais que vão compor o corpo docente da sua instituição e as condições de trabalho que eles terão representa 35% da nota do CPC. 

Por isso, busque por profissionais qualificados que desenvolverão uma estrutura pedagógica potente e estruturada para a sua instituição. 

Um corpo docente qualificado é ainda um fator que pode influenciar, e muito, tanto na retenção dos alunos da sua IES como na atração de novos estudantes.

3. Use a tecnologia ao seu favor

Atualmente, a relação dos jovens com as experiências que vivenciam é quase que integralmente norteada pela interface digital, por isso não perca esse gancho. 

Uma IES que complementa seu conteúdo presencial com o melhor que o universo digital pode oferecer ou que, mesmo em formatos EAD, ofereça recursos diferenciados de interação ganham a atenção e reconhecimento dos alunos. 

Além de 15% da nota do CPC ser constituída da avaliação de infraestrutura que o aluno faz da instituição, esses recursos potencializam o aprendizado e resultados dos estudantes não só diante do MEC, mas durante o próprio curso.

Vale lembrar que o Conceito Preliminar de Curso não é o único índice a que você deve se atentar. O MEC utiliza diversos indicadores para ter um parâmetro completo do ensino no Brasil e avaliar quais IES têm ou não condições de continuar atuando no cenário de ensino nacional. Neste post aqui conversamos um pouco mais sobre outros índices que merecem a sua atenção. Confira!

Entenda para que serve o Enade e conheça o papel dessa prova para a sua IES

O Enade é uma prova que sofreu várias modificações ao longo dos anos. Antes conhecida como provão, recebeu o nome de Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes apenas em 2003. 

A partir da nota que os estudantes obtêm nesse Exame, é possível ter sinopses gerais e específicas de cada graduação.

Entender para que serve o Enade e sua real importância é peça chave para pensar em estratégias educacionais que cumpram o que Exame e o mercado exigem.

Se você ainda não conhece profundamente o Enade, não há problema algum. Neste artigo vamos te contar para que serve o Enade e qual é o papel dessa prova para sua IES. Para conferir esse conteúdo superpetinente basta seguir na leitura!

O que é o Enade?

O Enade — Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes — avalia o desempenho dos estudantes concluintes dos cursos de graduação. O Exame é baseado em habilidades e competências relacionadas aos conteúdos programáticos previstos nas diretrizes curriculares dos cursos.

Seu objetivo é avaliar o nível de desempenho e atualização dos estudantes levando em conta a realidade brasileira e mundial.

As questões da prova do Enade não são secas, elas envolvem raciocínio lógico e contextualizado. 

É necessário compreender, na prática, como as situações se aplicam à realidade dos estudantes e é nesse sentido que os professores precisam atuar em criar metodologias novas e estimulantes que trabalhem não só a teoria, mas a prática de diferentes cursos, a fim de preparar adequadamente os estudantes. 

As diretrizes gerais do MEC, que regem o Ensino Superior, permitem que as IES façam suas próprias avaliações internas e tenham sua própria dinâmica, porém, exigem também que as instituições desenvolvam com os estudantes os aspectos que serão cobrados pelo Enade, que é uma prova externa. 

Além da prova do Enade, os alunos deverão também responder as questões do Questionário do Estudante. Essas duas ferramentas são os insumos para o cálculo dos Indicadores de Qualidade da Educação Superior.

A inscrição para o Enade é obrigatória para os alunos que estão ingressando e concluindo a graduação dos cursos superiores de bacharelado e superiores de tecnologia relacionados às áreas de avaliação da edição. E a nota que o aluno obtém é registrada em seu histórico escolar.

O Enade é elaborado pelo Inep e integra o Sinaes (Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior), que conta também com a Avaliação de cursos de graduação e com a Avaliação institucional. 

Se você ainda não conhece o Sinaes, vamos apresentá-lo a você a seguir. Acompanhe.

O que é o Sinaes?

O Sinaes, criado pela Lei n° 10.861, de 14 de abril de 2004, de acordo com o Inep:

Avalia todos os aspectos que giram em torno desses três eixos, principalmente o ensino, a pesquisa, a extensão, a responsabilidade social, o desempenho dos alunos, a gestão da instituição, o corpo docente e as instalações.

Os principais objetivos da avaliação envolvem melhorar o mérito e o valor das instituições, áreas, cursos e programas, nas dimensões de ensino, pesquisa, extensão, gestão e formação; melhorar a qualidade da educação superior e orientar a expansão da oferta, além de promover a responsabilidade social das IES, respeitando a identidade institucional e a autonomia de cada organização.

Após a resolução do Sinaes, o MEC torna público e disponível a todos os resultados das IES como um todo e de seus cursos.

Fazem parte dessa divulgação os instrumentos de informação, como dados do censo, do cadastro, CPC (que é a nota específica do curso) e IGC (a nota para a instituição de ensino), além dos conceitos das avaliações para os atos de Renovação de Reconhecimento e de Recredenciamento, que fazem parte do ciclo trienal do Sinaes, com base nos cursos contemplados no Enade a cada ano.

Muito bem, agora que você conhece o que é e para que serve o Enade, vamos te mostrar qual a real importância dessa prova para sua IES. Confira! 

Qual a importância do Enade para a IES?

Entender para que serve o Enade é peça fundamental para que gestores pensem em estratégias pedagógicas e estruturação de cursos que sejam, de fato, práticos. Afinal, o mercado de trabalho irá exigir que os estudantes que se formaram saibam como aplicar todo o conhecimento que adquiriram ao longo da graduação.

E é por isso que a nota no Enade é importantíssima para toda a comunidade acadêmica. A partir da análise das notas e da verificação de deficiências em determinadas habilidades e competências, é possível reformular todo o curso, levando em conta as particularidades de cada área. 

Além disso, a nota no Enade servirá como parâmetro de qualidade de sua instituição, fazendo que os estudantes se interessem ou não por iniciar um curso e permanecer no curso.

Por tudo isso, levar em consideração a nota do Enade é fundamental para pensar em estratégias pedagógicas que melhorem o curso e o desenvolvimento dos estudantes de modo acadêmico e pessoal, transformando-os em seres humanos melhores, preparados para a vida profissional e para lidar com a diversidade.

Nesse sentido, as metodologias pedagógicas são pensadas não só para melhorar a nota nesse Exame, mas também para aperfeiçoar o curso, fazendo daquela graduação mais prática.

Isso beneficia não só a IES, que oferecerá um curso realmente interessante e irá angariar novas matrículas, além de evitar a evasão no Ensino Superior; mas também trará benefícios aos estudantes, que conseguirão aplicar o conhecimento na prática, abrindo portas no mercado de trabalho.

Para isso, os gestores podem pensar em aplicar provas diagnósticas, que irão exibir claramente os desafios que os estudantes enfrentam, além de como e onde atuar para que isso seja revertido. 

A seguir, vamos te mostrar algumas das principais ferramentas que vão ajudar você a pensar em como melhorar não só a nota geral, como também a do curso como um todo. São elas:

  • criar provas elaboradas no estilo Enade para cada disciplina;
  • entender a realidade individual dos estudantes e, assim, verificar quais são os desafios e por que eles aparecem;
  • levar em consideração o feedback dos professores;
  • mostrar aos alunos novos que as provas devem ser um reflexo da realidade, e que, por isso, é necessário abrir a sua mente para entender a interdisciplinaridade;

É claro que todo o processo de modificação e adequação pelo qual o curso passará a partir da nota e dos relatórios emitidos pelo Inep deverão ser feitos com coordenadores em comunhão com o NDE (Núcleo Docente Estruturante).

Qual o papel do coordenador para uma boa preparação para o Enade?

O papel do coordenador é fundamental para uma boa preparação para o Enade. Afinal, é ele, junto com sua equipe, quem vai mostrar para que serve o Enade para os professores.

Assim, que entram na IES, os professores precisam ser informados sobre o funcionamento do Exame. Por isso, é interessante investir em palestras, materiais sobre o processo de avaliação e ainda na análise minuciosa das mais diversas edições anteriores do Enade.

E, além disso, é importante apresentar aos educadores os relatórios síntese emitidos pelo Inep, que qualquer um tem acesso. Os relatórios são ferramentas completissimas que mostram desde a nota do curso especificamente até o perfil do aluno daquele curso e instituição. 

Não se deve deixar apenas para o ano em que o Enade será aplicado para determinado curso, é necessário que o coordenador trabalhe isso ao longo dos anos, para que o professor entenda o funcionamento da prova e possa passar a importância dela para os estudantes de modo claro e real. 

Isso porque um dos maiores desafios das IES é mostrar aos alunos que o Enade não é importante apenas para que a instituição apresente uma boa nota nos cursos que oferecem. Esse Exame será usado como escopo para trabalhar com os estudantes as habilidades e competências exigidas, que também serão requisitadas na mercado de trabalho.

O professor precisa ser inserido, porque é ele quem terá o contato direto com os estudantes, verificando as dificuldades e os pontos fortes, trabalhando e moldando os estudantes para a vida profissional e, consequentemente, para o Enade. 

Bom, esperamos que você tenha gostado e tenha entendido de uma vez por todas para que serve o Enade. Para se aprofundar no assunto, não deixe de assistir a gravação do nosso webinar Enade: a importância do diagnóstico para orientar intervenções pedagógicas na IES!

O que é e como aumentar a nota no Enade da sua IES

A nota no Enade é um dos principais componentes utilizados pelo MEC para atribuir o Conceito Preliminar de Curso (CPC). Esse, por sua vez, é utilizado não só como forma de avaliação por parte do governo a respeito da qualidade dos cursos, mas também pelo mercado de trabalho 

Consequentemente, influencia potenciais alunos no momento da escolha de qual IES ingressar.  

Uma instituição reconhecida em qualidade de ensino proporciona destaque aos profissionais que forma e, por conseguinte, atrai mais alunos que buscam o sucesso. Por isso manter bons resultados no Enade é fundamental. 

Vale lembrar ainda que, com conceitos baixos no CPC, uma IES pode receber sansões do governo, inclusive a suspensão da abertura de novas vagas e fechamento de cursos. 

Por tudo isso, gestor, não descuide da sua nota no Enade! 

Uma instituição bem sucedida não prepara apenas seus alunos, mas também seus professores para essa avaliação. Uma boa nota no Enade envolve diversos fatores, vamos trabalhar aqui alguns fundamentais para que a sua IES obtenha sucesso nos resultados. 

O que é a nota no Enade? 

A nota no Enade é a pontuação alcançada por determinado curso em uma IES de acordo com o desempenho de seus alunos no Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade). 

Como já apontamos acima, essindicador compõe o CPC, podendo impactar desde a a captação de novos alunos até a continuação do curso. 

Como melhorar a nota Enade? 

O primeiro grande desafio da IES é convencer o aluno de que obter um bom desempenho no Enade é importante. Como ele visa a avaliação da Instituição e não de cada aluno individualmente, pode gerar desinteresse ou descompromisso, por parte do aluno, com essa obrigação.  

Por mais que o estudante tenha a exigência legal, por parte do governo, de comparecer ao Exame para receber seu diploma, essa obtenção não está associada ao seu desempenho na prova, somente com a presença 

Desse modonão é incomum ouvirmos relatos de alunos que comparecem ao Exame apenas para “assinar a lista de presença” e não se comprometem com os resultados. 

Como, então, solucionar essa demanda? É possível a IES engajar seus alunos e preparar a instituição para o Enade?  

Sim é possível, mas esse processo não acontece no mês que antecede a prova, ele deve fazer parte da rotina diária da instituição.  

Como fazer? Vamos lá! 

1. Conscientize e promova a boa comunicação com os alunos desde o início do curso 

Para um Enade bem sucedido, é importante que o assunto faça parte da abordagem cotidiana do currículo, além de que o aluno seja familiarizado com o conceito e as importâncias do mecanismo de avaliação desde a sua entrada no curso.  

Imagina a desagradável surpresa, e potencial revolta, de um aluno que está se formando e descobre que só poderá obter seu diploma se for realizar uma prova que mede a qualidade da instituição – e não lhe traz qualquer ganho direto pessoal – em pleno final de semana do final do semestre? 

Uma boa comunicação entre Instituição e aluno é importante não só para explicar questões como essa, como para gerar vínculo. Se o aluno se sente escutado e auxiliado pela IES ao longo do curso, ele desenvolve sua confiança na instituição, o que gera sensações de pertencimento e orgulho que vão potencializar seu empenho quando o momento da prova chegar. 

2. Engaje os professores e equipe 

Não só os alunos devem estar conscientes de todo o processo Enade como também a equipe que movimenta a rotina da instituição.  

De técnicos do setor administrativo aos professores, todos devem saber como funciona e a importância da nota no Enade para o sucesso da IES.  

Um profissional da secretaria, por exemplo, deve estar preparado para responder qualquer dúvida que possa chegar por parte dos alunosum professor deve se preocupar com o bom desempenho em suas disciplinas e a própria gestão tem de estar bastante consciente para buscar sempre soluções que facilitem a rotina da equipe para que possam estar mais engajados e solícitos aos alunos.  

3. Proporcione recompensas, reconhecimento e auxílios 

Proporcionar a valorização do aluno que tem bons desempenhos no ENADE e conceder auxílios como transporte e lanche no dia da prova também são interessantes e estimulantes. Afinal, o Exame é realizado no final de semana, demanda deslocamento até o local de prova e tem longa duração. 

O caminho para essa valorização pode passar por diversos recursos, desde uma celebração de agradecimento até benefícios como créditos extras ou descontos em programas de pós-graduação ou matrícula (para os que estiverem ingressando) no caso de bons desempenhos. 

4. Realize simulados 

A preparação continuada é fundamental para obter uma boa nota no EnadePorém, métodos intensivos normalmente criam tensões e rejeição dos alunos ao exame.  

Por isso, realize simulados ao longo dos últimos períodos do curso. Além de ser uma ótima preparação para o Enade, os resultados também servirão de parâmetro para a gestão da IES avaliar o desempenho de suas metodologias e corpo docente. 

Com o auxílio das ferramentas corretas, a IES pode até prever seus resultados por meio dsimulados e corrigir possíveis falhas. 

5. Faça uso de tecnologias e ferramentas digitais 

A realidade do jovem hoje é pautada pela conexão constante com a interface digital. Celulares, tablets e computadores não devem (há muito tempo) ser encarados apenas como distratores. Eles podem ser o diferencial ou a chave do sucesso para que a IES alcance maior engajamento e uma melhor nota Enade. 

 A IES pode utilizar desses meios para oferecer formas mais leves de envolver o aluno com o Enade, além de encaminhar e conduzir conteúdos, dicas, exercícios e simulados online. 

tecnologia pode ser ainda ser forte aliada para não sobrecarregar os professores ou equipe com as demandas Enade, uma vez que elas envolvem muitos conteúdos e formatos de questão específicos. 

6. Automatize processos 

Atualmente, existem disponíveis ferramentas e plataformas virtuais que auxiliam na automatização dos processos, fornecendo simulados e exercícios de acordo com o Modelo de Questão Enade. Algumas disponibilizam tanto questões originais como fornecem acesso a banco de dados de questões antigas. 

Além de aumentar o engajamento dos alunos e aliviar a carga de trabalho dos professores, a automatização desses processos auxilia a gestão da IES prevendo resultados da nota Enade e fornecendo diagnósticos que permitem a avaliação de desempenho de sua instituição ao longo do ano.  

É possível também obter diagnósticos de engajamento dos alunos. Com esses dados e tempo hábil, é possível a instituição mapear e corrigir falhas metodológicas ou de conteúdo e intensificar ou mudar abordagens com os alunos para garantir o sucesso no Enade. 

Agora você já tem todas as dicas que precisa para aumentar a nota no Enade e obter o sucesso em sua IES, certo? Aproveite para assistir a gravação do nosso webinar sobre a importância do diagnóstico para orientar intervenções pedagógicas na IES para o Enade! 

Saiba quem faz Enade nas próximas edições

Realizado anualmente e de participação obrigatória, o Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes avalia:

  •  o aprendizado dos concluintes dos cursos de graduação em relação aos conteúdos previstos nos respectivos currículos;
  • o desenvolvimento de competências e habilidades necessárias para uma formação apropriada;
  • o nível de atualização dos estudantes em relação à realidade nacional e internacional.

Porém, a cada edição, apenas um grupo de cursos é avaliado pelo Exame. Por isso, é muito importante que as Instituições de Ensino Superior estejam atentas a quem faz Enade a cada ano.

O conceito Enade é ainda o principal componente para o cálculo dos  Indicadores de Qualidade da Educação Superior, que conta também com as respostas do Questionário do Estudante, e que é a base para o ranking avaliativo de cursos nacionais e avaliações legais por parte do MEC para concessão de licenças de funcionamento das IES.

Gestores, professores e demais profissionais que trabalham na área da educação já conhecem a importância do Exame. Por isso, hoje vamos conversar um pouco mais sobre quem faz o Enade nas próximas edições, quem pode ser dispensado e as sanções cabíveis aos que se furtarem de realizar a prova.

Quem deve fazer o Enade?

Todos os alunos que estão ingressando ou se formando nos cursos determinados pelo Inep para avaliação naquele ano têm a obrigação de realizar a prova. A inscrição de cada um é de responsabilidade da IES, mas o comparecimento e realização da prova é obrigação do estudante.

A necessidade de avaliação dos alunos ingressantes acontece para que se possa ter uma amostra sobre o que os estudantes tinham conhecimento ao entrar no curso e a diferença desse aprendizado ao final da formação.

Quem faz Enade nas próximas edições?

O Exame de 2020 sofreu mudanças e foi adiado para 2021 e 2022.

Saiba, agora, quem faz Enade nos próximos anos:

Cursos a serem avaliados em 2020 (adiado para 2021)Ciclo Avaliativo do Ano II:

  • Cursos de bacharelado nas áreas de conhecimento de Ciências Biológicas; Ciências Exatas e da Terra; Linguística, Letras e Artes e áreas afins; 
  • Cursos de licenciatura nas áreas de conhecimento de Ciências da Saúde; Ciências Humanas; Ciências Biológicas; Ciências Exatas e da Terra; Linguística, Letras e Artes; 
  • Cursos de bacharelado nas áreas de conhecimento de Ciências Humanas e Ciências da Saúde, com cursos avaliados no âmbito das licenciaturas; 
  • Cursos Superiores de Tecnologia nas áreas de Controle e Processos Industriais, Informação e Comunicação, Infraestrutura e Produção Industrial.

Cursos previstos para avaliação de 2020 (adiado para 2022) – Ciclo Avaliativo do Ano III:

  • Cursos de bacharelado nas Áreas de Conhecimento Ciências Sociais Aplicadas e áreas afins; 
  • Cursos de bacharelado nas Áreas de Conhecimento Ciências Humanas e áreas afins que não tenham cursos também avaliados no âmbito das licenciaturas; 
  • Cursos Superiores de Tecnologia nas áreas de Gestão e Negócios, Apoio Escolar, Hospitalidade e Lazer, Produção Cultural e Design.

Cursos previstos para avaliação de 2020 (adiado para 2022) Ciclo Avaliativo do Ano I:

  • Cursos de bacharelado nas áreas de conhecimento de Ciências Agrárias, Ciências da Saúde e áreas afins; 
  • Cursos de bacharelado nas áreas de conhecimento de Engenharias e Arquitetura e Urbanismo; 
  • Cursos Superiores de Tecnologia nas áreas de Ambiente e Saúde, Produção Alimentícia, Recursos Naturais, Militar e Segurança.

Leia também: o que é e como aumentar a nota no Enade em sua IES?

Quem não precisa fazer Enade?

A prova é obrigatória apenas para os alunos que estão se formando no ano em que o Enade avaliará o respectivo curso. Portanto, os demais estudantes não precisam fazer o Exame.

O que acontece com o aluno que deveria e não fez o Enade?

O Enade é um item curricular obrigatório. Portanto, é indispensável para o universitário obter o diploma. O aluno inadimplente com essa obrigação fica impossibilitado de colar grau enquanto não regularizar sua situação junto ao Enade.

Banner de divulgação do infográfico gratuito sobre o que mudou no Enade 2020. Link para download: https://materiais.saraivaeducacao.com.br/lp-infografico-enade2020?utm_source=blog&utm_medium=banner-artigo&utm_campaign=material-rico

Quem pode ser dispensado do Enade?

Comumente, todos os alunos ingressantes são dispensados da realização da prova. A informação deve ser, no entanto, averiguada a cada ano na publicação do Diário Oficial que determina as regras da prova para aquele ano.

Vale a ressalva que a dispensa é da realização da prova para os ingressantes, não acarretando na dispensa da necessidade de inscrição desses alunos por parte da instituição.

A solicitação de dispensa da prova também faz parte do processo de regularização de estudantes concluintes que não realizaram a prova em anos anteriores. Ela deverá ser solicitada pelo estudante ou pela IES dependendo da natureza do motivo.

Cabe exclusivamente ao estudante em situação irregular apresentar solicitação formal de dispensa da prova no Sistema Enade no caso de ausências motivadas por ocorrências de ordem pessoal ou de compromissos profissionais, ambas devidamente comprovadas com documentos. 

Caso a irregularidade tenha se dado por culpa da IES, a própria instituição (pela figura do Coordenador de Curso) deverá entrar com o formulário solicitando a dispensa.

Todas as solicitações devem ser enviadas exclusivamente por meio do Sistema Enade, na data determinada, e acompanhada de todos os documentos solicitados de acordo com as instruções normativas.

Leia também: o que é um banco de questões Enade, como funciona e sua importância

Quem escolhe os alunos para fazer o Enade?

Os cursos avaliados a cada edição são determinados pelo MEC, a partir das sugestões do Conaes, e de acordo com cada área do conhecimento e eixos tecnológicos pré-determinados. 

Cada curso não pode ficar mais do que três anos sem ser avaliado, de modo que são divididos em três Ciclos Avaliativos que se revezam a cada ano.

A confirmação da lista de cursos avaliados em cada ano pode ser conferida no site do Inep na aba referente ao Enade.

Aqui, vale o lembrete que a realização da prova é censitária, ou seja, todos os alunos concluintes dos referidos cursos devem fazer a prova. Embora a Lei nº. 10.861, de 14 de abril de 2004, que criou o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes), permita a realização do Exame por amostragem ano após ano, ele segue sendo aplicado de maneira censitária.

Esperamos ter te ajudado a estar preparado para tirar todas as possíveis dúvidas de estudantes, professores e demais gestores educacionais sobre quem faz Enade. Aproveite para conferir o nosso artigo sobre como preparar os estudantes para esse Exame tão importante!