Saiba tudo sobre curadoria educacional: importância, desafios e como fazer

O processo de curadoria educacional é fundamental para selecionar e organizar os conteúdos que integram o processo de ensino-aprendizagem. Neste artigo, entenda a importância, como funciona e como otimizar a curadoria educacional para disciplinas presencias, híbridas e online!

Com as revoluções digitais e o papel central que a internet passou a desempenhar na vida dos indivíduos, ter acesso às informações se tornou mais fácil e rápido. Como consequência, os estudantes começaram a ser bombardeados com diversos tipos de conteúdos.

O ambiente de ensino, no entanto, não pode acolher toda e qualquer informação. Por isso, coordenadores e professores adquiriram também a responsabilidade de selecionar quais conteúdos de fato apoiam a construção de conhecimentos bem embasados, críticos e relevantes. Essa seleção pode ser chamada de curadoria educacional.

Neste artigo, apresentaremos o que é a curadoria educacional, qual é a sua importância e como fazê-la, tanto para turmas presenciais quanto para aquelas a distância. Além disso, abordamos seus desafios e possíveis saídas para lidar com eles.

Saiba o que é a curadoria educacional

De modo geral, a curadoria educacional é um processo de triagem que visa garantir a confiabilidade dos conteúdos apresentados em um curso ou disciplina. Ela deve ser feita por um profissional contratado especificamente para isso, embora, em alguns casos, professores e coordenadores também executem essa função.

Seu principal objetivo é evitar que conhecimentos e conteúdos sem base científica ou irrelevantes integrem o processo de aprendizagem. Assim, ela funciona como um filtro de qualidade. Dá apoio sobretudo aos conteúdos de Educação a Distância (EaD), fazendo com que o aluno absorva os conhecimentos com mais facilidade.

Entenda a importância da curadoria educacional

Na era da informação, o aprendizado deixou de estar limitado à sala de aula. Com novas fontes de conhecimento surgindo a todo momento e com a democratização do acesso à informação, que garantiu a recém-conquistada autonomia dos estudantes, tornou-se primordial que as novas formas de saber integrem as instituições de ensino.

A curadoria educacional promove a união de várias formas de saber de maneira organizada e confiável. Isso porque, ao filtrar os conteúdos, garante-se que eles mantenham uma linha de raciocínio bem estruturada e que se liga ao público ao qual se direcionam. 

Leia também: Como funciona a disciplina online e quais são seus benefícios para a IES e para os estudantes

Pensando nisso, podemos afirmar que a curadoria educacional importa porque se certifica de que o processo de ensino-aprendizagem se dê de modo mais bem estruturado e direto. Evita, assim, que os estudantes se deparem com conteúdos supérfluos ou desinteressantes, enquanto, paralelamente, os estimula a buscar mais informações e a participar ativamente da sua educação.

Sobretudo quando pensamos nos desafios da modalidade de ensino à distância e do ambiente online, a curadoria educacional se torna primordial para garantir que o aluno não receberá apenas uma transcrição digital de um curso ou disciplina pensada para a modalidade presencial. Afinal, a EaD tem características próprias e um perfil diferenciado de alunos. Desse modo, os seus conteúdos devem ser pensados com atenção para esse grupo de pessoas e para os seus objetivos e necessidades específicos.

Banner de divulgação do ebook "Disciplinas online de Direito: como desenvolver na IES?". Link para download gratuito: https://materiais.saraivaeducacao.com.br/lp-ebook-mofu-disciplinas-online-direito?utm_source=blog-post&utm_medium=banner&utm_campaign=material-rico

Veja como desenvolver a curadoria educacional na prática

De modo geral, para implementar a curadoria educacional é essencial seguir algumas etapas. Uma vez que ela pode ser aplicada a um curso ou disciplina, o tempo para a sua realização pode variar. Abaixo, apresentamos as fases desse processo:

1. Definição do tema

Em primeiro lugar, é essencial que o coordenador da instituição de educação superior (IES) ou o professor definam o assunto da disciplina ou curso. Essa é uma parte essencial da elaboração de um plano de curso e funcionará, aqui, como uma base a partir da qual o curador poderá compreender quais conteúdos são efetivamente importantes e quais devem ser dispensados.

Para definir o tema, é importante se atentar às Diretrizes Curriculares Nacionais (DNCs) e aos objetivos pedagógicos da instituição a qual ele se destina. Como esse tema se relaciona com o curso/a disciplina? Por que ele é relevante? O que ele promove aos alunos? Essas são perguntas que podem auxiliar esta fase. 

2. Pesquisa de materiais

Em seguida, importa coletar todos os materiais possíveis para a elaboração de uma aula ou disciplina. Nesta etapa, já podem ser exploradas as diversas formas de acessar um conteúdo, o que dinamiza a aula e o processo de aprendizagem.

Além disso, é interessante manter em mente as ferramentas às quais os estudantes têm acesso. Se eles contam com uma biblioteca digital, por exemplo, o curador pode indicar livros que façam parte do acervo. Assim, a IES se torna mais integrada.

3. Seleção dos materiais mais adequados

Após a pesquisa, será tarefa do curador educacional selecionar os conteúdos mais adequados, destacando os que melhor se relacionam com os objetivos pedagógicos da instituição de ensino e/ou da disciplina em questão. Também é nesta fase que entra em pauta a modalidade de ensino e a maneira como os estudantes interagem com ela. 

Aqueles considerados menos centrais para o processo de aprendizagem não precisam, necessariamente, ser descartados: eles podem, por exemplo, integrar o ensino como conteúdos extras. Em casos de erros ou inadequações, podem servir como um ponto de partida para trabalhos mais dinâmicos, nos quais cabe aos estudantes identificar e corrigir problemas, apresentando soluções ou leituras críticas.

4. Elaboração dos planos de aula

Uma vez definido o assunto principal do curso ou disciplina e selecionados os materiais que o integrarão, é hora de separá-los em aulas. Nesta etapa, o profissional divide o conteúdo em etapas, respeitando, novamente, tanto a modalidade de ensino, quanto os objetivos pedagógicos. É importante lembrar que diferentes alunos terão diferentes necessidades, e os planos de aula devem tentar contemplá-los.

É ainda nesta etapa que se definem as metodologias ativas que poderão ser utilizadas e de qual maneira. A partir dos conteúdos selecionados, será tarefa do curador apontar modos de compreensão mais efetivos, a variar de acordo com os perfis dos alunos e das salas de aula desejadas.

Para a modalidade EaD, algumas metodologias interessantes de serem exploradas são:

5. Direcionamento das aulas

Por fim, as aulas devem ser aplicadas e direcionadas para um objetivo que integra o plano de curso. Nesse sentido, o curador pode fazer apontamentos que auxiliem os professores e coordenadores a produzir conteúdos específicos. 

A curadoria educacional, aqui, garante que a linha de raciocínio da aula — e do curso — estará clara para os alunos, mantendo-os motivados e interessados em engajar com aquele material. Além disso, ela determina como as aulas tomarão forma, sempre a partir das necessidades dos estudantes.

Conheça as vantagens da curadoria educacional

Como já apontamos, as mudanças tecnológicas têm um impacto significativo nos ambientes de ensino. Como alteramos, com o passar dos anos, a nossa maneira de pensar e interagir com conteúdos, é essencial que a IES acompanhe essas transformações.

Pensando nisso, apontaremos, ao longo desta seção, as principais vantagens da curadoria educacional para a sua IES.

Em primeiro lugar, há, como mencionamos brevemente, a união de saberes. No ambiente online, o aluno pode tirar suas dúvidas a qualquer momento, buscando complementações ao conteúdo. Com a curadoria educacional, esses materiais extras podem ser disponibilizados pelo próprio professor, estimulando o debate e garantindo a confiabilidade

Além disso, é uma maneira de descentralizar o papel do educador, permitindo ao aluno explorar a sua autonomia sem que, no entanto, ele caia em armadilhas. Em IES que promovem educação digital, é provável que o estudante saiba navegar pelos conteúdos sem se sentir sobrecarregado. No entanto, como a internet é um ambiente muito vasto, a curadoria funciona também como uma espécie de “mapa”, impedindo enganos.

Soma-se a isso o fato de que a curadoria educacional lança mão de mecanismos inovadores, o que estimula a pesquisa. O uso de materiais diversos aparece já na elaboração do curso ou disciplina, mas é garantido pelo curador, que se preocupa em adaptar conteúdos a determinados públicos e plataformas. Assim, garante-se uma aprendizagem mais dinâmica e efetiva.

O uso de metodologias ativas é apenas parte dessa preocupação. O curador também será o responsável por identificar as plataformas adequadas para determinados conteúdos, explorando desde vídeos e palestras online até ambientes virtuais de aprendizado que podem ser integrados ao cotidiano dos alunos.

Por fim, a curadoria educacional otimiza o tempo de docentes e discentes, ao garantir que os conteúdos apresentados cumprem os objetivos já estabelecidos e focam nas necessidades dos estudantes. A partir dela, é possível compilar e distribuir materiais de qualidade, aprofundando o conhecimento dos alunos.

A curadoria educacional como uma oportunidade

Podemos pensar na curadoria educacional como uma oportunidade para as instituições de ensino. Isso porque ela melhora a reputação da IES no mercado, uma vez que:

  •  garante que as exigências o MEC estejam sendo cumpridas;
  • possibilita um ensino de qualidade, que atende às necessidades dos estudantes;
  • acrescenta materiais relevantes, que estimulam o engajamento;
  • evita conteúdos supérfluos, que diminuem a atenção do aluno;
  • pode ser integrada a outras ferramentas, alinhando a aprendizagem às exigências de um mundo digital.

Investir em uma curadoria educacional é, portanto, uma maneira de desenvolver as instituições de educação superior, adequando-as ainda mais ao contexto contemporâneo de educação. 

E mais: é também uma chance de promover um ensino de mais qualidade, que foca no aproveitamento do aluno e em aplicações práticas, e não apenas na absorção de informações.

Entenda os desafios da curadoria educacional

Como foi possível perceber ao longo deste artigo, o trabalho do curador educacional não é simples. Além de atravessar toda a produção de conteúdo de um curso ou disciplina, garantindo sua qualidade e confiabilidade, ele demanda, também, algumas características “extras”, que, em geral, não são necessariamente desenvolvidas pelo professor ou coordenador.

Em primeiro lugar, o curador educacional deve ser um profissional com habilidades intelectuais, afetivas e de gestão muito bem desenvolvidas. Isso porque será responsabilidade dele gerenciar aprendizagens múltiplas e complexas. Deve ser, ainda, um indivíduo criativo e curioso, ótimo em encontrar novas soluções e caminhos para lidar com problemas cotidianos. 

O desafio não está apenas em encontrar profissionais completos e preparados, mas também em contribuir com a formação e o aperfeiçoamento dos professores que entrarão em contato com eles. Afinal, as observações e correções feitas pelos curadores interferem em todo o processo de produção de conteúdo e de aprendizagem. Desse modo, é preciso integrá-los ao contexto da IES, o que requer adaptações.

Os custos também devem ser levados em consideração. Evidentemente, um profissional tão completo quanto esse pode ser custoso para a IES. E, uma vez que eles possuem conhecimentos especializados, um único curador pode não ser suficiente para lidar com as demandas da instituição. 

A curadoria educacional se apresenta, assim, como um investimento que demanda muita atenção e cuidado. Para realizá-lo, é necessário garantir que o curador e os conteúdos por ele selecionados atingirão a qualidade exigida pelos estudantes e pela IES, relacionando-se aos seus objetivos e necessidades e garantindo um feedback positivo.

Para contornar esses desafios, uma saída possível é contar com uma solução que disponibiliza conteúdos EaD e garante que eles passem por uma curadoria minuciosa. Para isso, faz toda diferença conhecer plataformas de ensino com selo de qualidade, reconhecidas pelo MEC e comprometidas com a educação criativa, engajada e autônoma.

Agora que você já sabe tudo sobre a curadoria educacional, caso tenha interesse em descobrir mais sobre soluções online que facilitem essa atividade, é hora de conhecer a DONS.

Você também pode gostar

Curso de Direito EaD?
A Saraiva Educação preparou várias trilhas de aprendizado explicar como implementar na sua IES.

Artigos em destaque

Inscreva-se em nossa newsletter e receba nossos conteúdos em primeira mão!

Deseja manter-se sempre atualizado? Receba quinzenalmente uma seleção de materiais sobre a educação superior — é só informar seu melhor endereço de e-mail!