Tudo que você precisa saber sobre educação digital

Afinal, como desenvolver a educação digital na instituição de ensino, mesmo quando professores e alunos não estão preparados? Preparamos este artigo para você entender melhor esse conceito, seus impactos na IES e como utilizá-lo para melhorar a qualidade do ensino!
Educação digital: fotografia de duas mulheres em uma biblioteca estudando e analisando algo na tela de um notebook.

Hoje em dia, a maior parte da nossa vida está diretamente conectada à tecnologia, que continua se desenvolvendo. Por isso, estamos sempre lidando com novos aplicativos, ferramentas e softwares. Aqui no Blog da Saraiva Educação, falamos com frequência da importância de saber utilizar essas novidades no nosso dia a dia e na educação. Mas será que isso é suficiente?

Mais do que ter domínio de todas as tecnologias, é essencial que saibamos aproveitá-la ao máximo. Mas como? Neste artigo, vamos te explicar o que é a educação digital, qual é a sua importância, como ela pode ser desenvolvida e quais são os seus principais benefícios. 

O que é a educação digital?

Quando falamos sobre educação digital, não estamos abordando necessariamente aquelas pessoas que conhecem todos os aparelhos e apetrechos tecnológicos por aí. Na verdade, estamos nos referindo à habilidade de usar os recursos disponíveis em cada aparelho, fazendo com que ele atenda às nossas necessidades e proporcione o maior aprendizado possível.

Isso significa que a educação digital é a capacidade de aliar os recursos que a tecnologia nos oferece aos meios de aprendizado, em geral a partir de metodologias ativas. Assim, podemos usufruir das ferramentas que temos à nossa disposição, extraindo delas tudo o que precisamos saber e integrando-as de verdade ao nosso dia a dia.

Mais do que saber usar um smartphone, por exemplo, é importante que saibamos integrá-lo à nossa rotina. Assim, compreender quais aplicativos otimizam a nossa rotina e de que maneira, como ele facilita a nossa busca por informações ou mesmo quando ele não basta para atender ao que precisamos são todas formas de perceber a educação digital na prática.

Como a educação digital surgiu?

É difícil definir o surgimento da educação digital. De certo modo, ela acompanha as inovações tecnológicas e passa a existir ao lado das ferramentas criadas para otimizar diversos trabalhos. No entanto, ganha maior atenção a partir dos anos 2000.

Com o “boom” da banda larga, torna-se essencial saber não apenas usar novas tecnologias (como o computador, por exemplo), mas também torná-las parte do dia a dia. Já que a internet está mais acessível para todos, é hora de começar a integrá-la ao cotidiano das pessoas e das instituições de ensino. Já contamos, inclusive, aqui no Blog da Saraiva Educação, que é também por volta dessa época que as bibliotecas digitais se popularizam.

No Brasil, em 2014, foi estabelecida a Lei Nº 12.965, que estabelece os princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da internet no país. Nela, o Artigo 26 define como um dever institucional “a capacitação, integrada a outras práticas educacionais, para o uso seguro, consciente e responsável da internet” — ou seja, a educação digital.

Por que desenvolver a educação digital é importante?

Já mencionamos que a educação digital é o uso otimizado da tecnologia e de suas ferramentas. Quando pensamos na educação do futuro, não podemos deixar de ter em mente o papel central que a tecnologia ocupará. 

No entanto, é preciso explicar as razões pelas quais o desenvolvimento dessa habilidade é tão importante. Para isso, fizemos uma lista com os três principais motivos. Confira:

1. Proporciona a democratização do acesso à informação

Uma vez que o indivíduo sabe usar as tecnologias a seu favor, ele pode alcançar maiores informações, não importando quem ele é ou onde ele está. Isso permite que qualquer pessoa, de praticamente qualquer lugar, possa desenvolver habilidades, saber mais sobre seus interesses, ter acesso a notícias etc. E a informação é uma das formas mais eficazes de promover também a liberdade individual.

2. Confere maior autonomia aos alunos

Seja na instituição de ensino, seja fora dela, o uso inteligente da tecnologia e de ferramentas digitais permite ao aluno ser o sujeito central do seu processo de ensino-aprendizagem

Com uma boa educação digital, ele pode, além de fazer pesquisas, contribuir para a otimização do seu próprio ensino, encontrando conhecimento relevante sem ficar perdido no excesso de informações disponíveis. 

3. Aumenta a inclusão social

Uma boa educação digital é sinônimo de cada vez mais pessoas ocupando espaços que, antes, eram inacessíveis para elas. Afinal, ela representa a possibilidade de um processo de aprendizagem mais eficaz e de um melhor desenvolvimento de habilidades e competências que são indispensáveis para o mercado de trabalho e a vida em sociedade.

Que habilidades podem ser desenvolvidas com a educação digital?

Saber usar a tecnologia e as suas ferramentas em prol de uma educação mais assertiva influencia a maneira como os estudantes se preparam para o mundo real.

Hoje em dia, os jovens já crescem imersos em um mundo que possui acesso à internet, então é primordial que eles aprendam a extrair dela tudo o que pode lhes ser útil ao longo da vida.

A educação digital promove uma série de oportunidades para que esses jovens construam e reforcem algumas habilidades que serão exigidas a longo prazo. Elaboramos uma lista com as que consideramos mais importantes:

 1. O estímulo para aprender cada vez mais

Quando sabemos onde e como procurar, a internet se transforma em um enorme receptáculo de informações e conhecimento. À primeira vista, elas podem parecer confusas e excessivas. No entanto, com a educação digital, torna-se mais fácil navegar por esse oceano. E ter todas as respostas que quisermos a um clique de distância é um grande incentivo para que façamos cada vez mais perguntas.

2. Desenvolvimento crítico

Muita informação à nossa disposição também significa saber filtrar tudo a que passamos a ter acesso. Esse processo se torna mais fácil à medida que temos educação digital. E é durante essa separação entre conhecimentos úteis e supérfluos que podemos desenvolver o nosso senso crítico, tanto para questões mais práticas e educacionais, quanto diante a eventos globais.

3. Raciocínio lógico

Assim como acontece com o desenvolvimento crítico, a educação digital estimula os estudantes e indivíduos a pensarem antes de agir

Afinal, para compreender de que maneiras uma ferramenta digital pode ser útil, é fundamental que tenhamos entendimento sobre ela e reflitamos sobre as múltiplas possibilidades que ela oferece. 

Isso incentiva o raciocínio lógico e otimizado, evitando perda de tempo, confusão diante de muitas informações e usos indevidos das ferramentas.

4. Capacidade de resolver problemas

Para buscar a resposta ideal, é preciso, antes, saber fazer a pergunta certa. A educação digital cria no indivíduo o tipo de pensamento que o direciona para os lugares adequados, nos momentos adequados. 

Assim, ele se torna capaz de observar a sua situação de modo atento e de investigar o que precisa ser feito para que ela seja resolvida. Essa é uma habilidade cada vez mais necessária no mundo atual.

Como a educação digital impacta diretamente o curso de Direito?

Em 2020, houve uma mudança nas Diretrizes Nacionais Curriculares (DNCs) de Direito. O parecer CNE/CESS Nº 757/2020 incluiu na Proposta Pedagógica Curricular de conteúdos e atividades:

  • a formação técnico-jurídica em Direito Digital; e
  • a formação prático-profissional incluindo o letramento digital e práticas remotas mediadas por tecnologias de informação e comunicação.

 Isso significa que o “letramento digital” passou a fazer parte do currículo do curso de Direito, sendo reconhecido como uma formação relevante para os estudantes. 

Por definição, esse letramento equivale à educação digital, uma vez que diz respeito ao uso inteligente de ferramentas tecnológicas e de escrita no meio digital. Ele tem como objetivo a participação crítica desses estudantes na cultura digital. Além disso, visa tornar os alunos de Direito capazes de atuar em processos eletrônicos e de utilizar os computadores durante suas atividades.

Nesse sentido, embora a educação digital seja importante para todas as pessoas, de todas as áreas de conhecimento, ela se tornou central sobretudo para o curso de Direito. Afinal, é a partir dela que esses futuros profissionais poderão utilizar a tecnologia a seu favor, o que ajudará suas práticas e a proteção de seus futuros clientes.

Quais são os benefícios de desenvolver a educação digital na IES?

Estimular o uso inteligente da internet e de ferramentas tecnológicas pode ter uma série de resultados positivos. Além de uma sala de aula mais interessante, a educação digital favorece práticas interativas e que se relacionam com as realidades individuais e educacionais dos alunos

Alguns dos principais benefícios que podemos citar são:

  • Permite a utilização de diversos métodos de ensino;
  • aumenta o engajamento dos alunos;
  • otimiza o tempo de aula;
  • possibilita aulas mais inovadoras e motivadoras;
  • constrói alunos mais capacitados, dentro ou fora da IES;
  • promove a socialização;
  • amplia a formação multidisciplinar.

Além desses benefícios, a educação digital também prepara os alunos para lidar com os riscos da internet, informando-os sobre exposição excessiva, valores éticos e segurança de dados sensíveis. 

Além disso, ela estimula o aprendizado, ao facilitar o acesso a informações. Por fim, forma cidadãos mais conscientes de seu papel na sociedade.

Quais são os desafios de desenvolver a educação digital na IES?

Como todas as novidades e inovações, a educação digital também apresenta alguns desafios. Afinal, ela promove mudanças na forma de pensar e agir de professores e alunos, e demanda alterações na estrutura das salas de aula e da própria instituição de educação superior (IES). Alguns desses desafios são:

1. A formação dos professores

É possível que o corpo docente da IES não esteja familiarizado com as novas tecnologias e ferramentas digitais e que não saiba como aproveitá-las ao máximo. 

Por isso, antes de investir no desenvolvimento dos alunos, é necessário priorizar a formação e a educação digital dos próprios professores (e coordenadores e diretores também!). 

Assim, eles não só começarão a aplicar novas metodologias em sala de aula, mas também poderão acompanhar e auxiliar os estudantes durante esse processo.

2. A infraestrutura adequada

Para que haja a promoção de uma maior educação digital, é necessário que a IES apresente uma estrutura pronta para recebê-la. Isso significa que o espaço deve possibilitar novos formatos de sala de aula, por exemplo, e contar com internet e ferramentas necessárias para que alunos e professores inovem a forma de aprender e ensinar. 

Assim, é possível elaborar mais contextos em que há uma interação com as tecnologias e, portanto, maior familiaridade.

3. Recursos financeiros para equipamentos

Mais do que fornecer o espaço adequado para as novas práticas educacionais, no entanto, também é importante que a IES invista nos equipamentos. 

Contudo, eles podem ser mais caros, ou demandarem reformas — como é o caso do quadro interativo. Por isso, os recursos financeiros devem existir e ser bem direcionados. 

Como desenvolver a educação digital na prática?

Se você chegou até aqui, é possível que já esteja convencido sobre a importância de desenvolver a educação digital na sua IES. No entanto, como fazer isso? Com aulas de informática? Com aulas de programação? A partir apenas das metodologias ativas? Nesta seção, nós vamos explicar.

Em primeiro lugar, tenha em mente que a educação digital é um processo e, por isso, acontecerá aos poucos na sua IES. É muito importante que haja um planejamento sobre como ela será integrada às diferentes aulas e turmas, mas também é preciso manter em mente que nenhuma transformação ocorre da noite para o dia. Por isso, vá com calma e observe as respostas — positivas ou negativas — de cada ação.

Existem maneiras mais iniciais de familiarizar o aluno com novas ferramentas e tecnologias. Exemplos simples são os podcasts e videoconferências, que estimulam o uso de outras mídias no processo de ensino-aprendizagem. A IES pode incentivar que os professores os integrem às suas bibliografias e métodos de ensino, aumentando o contato dos estudantes com elas.

O quadro interativo também é uma opção interessante. Com ele, as informações dadas pelo professor são disponibilizadas de maneira mais dinâmica. Além disso, é possível ampliar imagens, fazer pesquisas e estimular a aprendizagem visual da turma. 

Outras maneiras passam pelas metodologias ativas, como a gamificação, que promove o uso de jogos e aplicativos durante o processo de ensino-aprendizagem. Utilizar bibliotecas digitais também pode ser interessante para incentivar a leitura na sua IES. Por fim, laboratórios de robótica e programação são boas experiências, especialmente em cursos que lidam com a tecnologia de maneira mais direta. 

Com base nessas ferramentas, o aluno da sua IES se tornará cada vez mais familiarizado com a tecnologia e suas possibilidades. Além disso, ele receberá diferentes estímulos e provas de que aquele universo pode ser explorado de maneira muito benéfica. Ao mesmo tempo, o corpo docente e administrativo terá mais maneiras de otimizar o seu trabalho.

Agora que você já sabe mais sobre a educação digital, aproveite para conferir quais são os principais passos para desenvolver o ensino híbrido no ensino superior e comece a pensar em modos de desenvolvê-la na sua IES!

Você também pode gostar

Curso de Direito EaD?
A Saraiva Educação preparou várias trilhas de aprendizado explicar como implementar na sua IES.

Artigos em destaque

Inscreva-se em nossa newsletter e receba nossos conteúdos em primeira mão!

Deseja manter-se sempre atualizado? Receba quinzenalmente uma seleção de materiais sobre a educação superior — é só informar seu melhor endereço de e-mail!

[KIT GRATUITO]

Advogado do futuro: dicas para preparar os estudantes de sua IES

Em comemoração ao Dia do Advogado, criamos um kit de materiais gratuitos com os nossos principais conteúdos para que a sua IES apoie os advogados em formação.