Educar para transformar!

Leia este artigo do professor Paulo Bertaglia e confira suas reflexões sobre o poder transformador na educação!
Educar para transformar: pessoas conversam

Introdução

Uma das frases mais célebres de nossa querida Cora Coralina, importante escritora brasileira, e que utilizo constantemente em minhas palestras, cursos e prosas é

Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina”.

Esta frase tem uma profundidade tão grande que poderíamos discorrer horas a fio sobre ela. Cora, prestigiada poeta e contista, se tornou um dos expoentes da nossa literatura, iniciando sua carreira literária aos 14 anos e publicando seu primeiro livro aos 76 anos.

Embora tendo estudado “formalmente” até o equivalente ao segundo ano do Ensino Fundamental, recebeu o título de Doutora Honoris Causa da Universidade Federal de Goiás. Uma inspiração sem dúvida. E que nos traz uma reflexão importante.

Nos dias atuais expressões catedráticas como “Lifelong learning” ou aprendizagem por toda vida aparecem constantemente nas mídias sociais. E é extremamente importante que haja esta reflexão. E cá entre nós Cora viveu uma época em que o acesso à educação era muito restrito. Hoje não dá para alegar que há dificuldades.

Espaços existem. A cobrança é muito mais por qualidade, onde o estudante é protagonista. Mas como cobrar qualidade se nossos modelos de ensino ainda remontam à idade média?

Temos que questionar. Alunos, pais, professores e instituições. Para transformar pessoas, a educação também deve evoluir e ser transformada. Precisamos rever o modelo da educação massificada visando ao lado financeiro e formando pessoas com conhecimentos rasos. Boa reflexão também, não é?

O poder da educação

Eu costumo usar duas expressões em minhas falas para incentivar a educação:

Com a educação vem a transformação” e “Educar para transformar”.

A educação ilumina cada etapa de nossa jornada e possibilita construir uma nova vida, principalmente para aqueles que são mais vulneráveis em nossa sociedade. Ela abre horizontes, expande perspectivas e nos tira da ignorância. Estamos na era da informação, mas de nada adianta ter informação se não a transformamos em conhecimento.

Conhecimento de valor. Conhecimento para vida.  Precisamos realizar esforços especiais e significativos para garantir que todos tenham acesso a uma educação, independentemente de classe social, renda familiar, gênero e raça.

Todos devem se beneficiar igualmente do poder transformativo da educação. Ah, e como existem tantas e quantas possibilidades de transformação, de criação. Eu acredito no poder da educação. A educação aumenta as chances de obter trabalho, manter a vida saudável e ter uma participação mais profunda na sociedade sem que sejamos marginalizados e ignorados.  O acesso à educação verdadeira é direito de todos.

Complemente este texto assistindo, acima, a esta prosa sobre a educação que nos inspira!

A educação que inspira

Muitas palavras entraram para o português provenientes do latim, nossa língua mãe. E muitas vezes essas palavras começam com um significado que é muito semelhante, se não idêntico, ao que tinham no idioma anterior.

A palavra “inspirar” é uma dessas palavras especiais e que tem um significado fantástico. Com base no latim “inspirare”, significa respirar ou soprar. Tão forte é sua definição que não tardou muito a ganhar um sentido figurativo, trazendo o significado de “influenciar, mover ou dar novo rumo a vida”, às vezes assumindo perspectivas até sobrenaturais.

Ainda que uma palavra às vezes usada sem muito cuidado, “inspirar” para mim tem um excepcional significado e é este foco que quero colocar aqui neste nosso texto. Inspirar é sentir na alma a grandeza de algo que nos proporciona novos rumos, novos pensamentos, ideias e valores.

Eu gostaria — me permita delirar um pouco — que a educação fosse inspiradora e concentrada nos valores do ser humano.  Não queria limitar apenas aos bancos escolares e a melhora dos indicadores voltados para a educação obrigatória da alfabetização, onde o professor é cobrado inclusive por tarefas que deveriam ser executadas pelos pais.

Sim, eu me refiro também à educação que nos eleva, que nos coloca num patamar de verdadeiros seres humanos. Uma vida de respeito e disciplina na sociedade. Não, não estou falando de acumular riquezas, mas sim dos valores que andam esquecidos ultimamente. Falo da educação e do seu poder de transformar as pessoas. Da educação que faz o bem, da educação que respeita e da educação que não se deixa corromper.

Infelizmente vivemos momentos extremamente difíceis, onde nos aproveitamos de toda e qualquer situação para nos favorecer ou para nos enriquecer ilicitamente. Aproveitamos de tudo e de todos.

Aproveitamos burlar a fila dos bancos. Trafegamos pelos acostamentos quando ocorrem os congestionamentos. Jogamos lixo pela janela do ônibus ou do automóvel. Assumimos posições de liderança sem remuneração, mas com o viés de tirar proveito próprio em várias circunstâncias. Não aceitamos divergências, diversidades ou pensamentos diferentes. Usamos nossa posição social para “espezinhar” e maltratar seres iguais a nós.  Muitas vezes reclamamos dos atos de outros, mas fazemos o mesmo.

Sim, nos falta a educação. E que poder ela tem.  É o poder de transformar pessoas. A educação é muito mais do que apenas adquirir o conhecimento. Ele é importantíssimo. Mas a educação tem um poder fantástico. Ela, através da convivência, molda o nosso caráter. Ela desenvolve a nossa personalidade.

Os tempos mudam. Não sei dizer exatamente se há uma evolução. Depende da perspectiva. Mas mudam. Os tempos modernos onde a tecnologia desempenha um papel importante nos coloca em xeque — alunos e professores — sobre possíveis modelos.

Aulas virtuais, presenciais, ao vivo virtualmente. Qual o modelo ideal? Confio na inteligência humana para decidir. No entanto certas disciplinas demandam uma proximidade, testes e laboratórios para aprendizado por exemplo. A medicina e a engenharia que o digam. Confiaríamos em um médico que se formou com base em suas disciplinas ministradas “apenas” pelo mundo digital? Para refletir.

Conclusão

Em minhas palavras busco conexão. Interação. Este texto é um convite para reflexão e como eu gostaria de trocar ideias com as pessoas que acreditam na arte de argumentar. Todos somos falíveis. Entendamos isso. Afinal, uma boa relação começa pelo entendimento e compreensão do contexto e a habilidade de debater com empatia. Sem explosões. Sem ironias.

Não busco concordância. Busco ideias. Adoro a diversidade de ideias. Só nos faz crescer. Afinal somos protagonistas de um novo mundo. Um mundo complexo e incompreensível muitas vezes, e em constante mudança e transformação.

Gosto de buscar conhecimento e novas perspectivas nas biografias e Nelson Mandela é um daqueles exemplos fantásticos que vale a pena compreender. Afinal 27 anos confinado em uma prisão por lutar pelo seu país e contra um regime de segregação racial não é para qualquer um. Sua frase “A educação é a arma mais poderosa que podemos usar para transformar o mundo” é um convite a todos nós, professores, autoridades, indivíduos a dar foco, a buscar a relevância da educação.

Que maravilha de frase. Estou com ele. Para mim Educar é Transformar!

Texto produzido por Paulo Bertaglia, escritor, professor, palestrante, mentor e consultor.

Estou no LinkedIn, e meu canal do voluntariado na educação no YouTube é um convite ao aprendizado! Visite, Inscreva-se se lhe for conveniente.

Você também pode gostar

Curso de Direito EaD?
A Saraiva Educação preparou várias trilhas de aprendizado explicar como implementar na sua IES.

Artigos em destaque

Inscreva-se em nossa newsletter e receba nossos conteúdos em primeira mão!

Deseja manter-se sempre atualizado? Receba quinzenalmente uma seleção de materiais sobre a educação superior — é só informar seu melhor endereço de e-mail!