Conheça o microlearning, seus benefícios e formas de aplicá-lo na IES

A comunicação na atualidade segue padrões sem precedentes em velocidade e volume de informação, em função do atual paradigma de hiperconectividade. Essa realidade se acentuou ainda mais com a pandemia do covid-19 e os protocolos de isolamento social.

Instituições de ensino foram obrigadas a fechar suas portas e se adaptar ao ambiente digital. Por isso, foram obrigadas também a repensar seus modelos de ensino: será uma boa estratégia transpor de forma idêntica uma aula presencial, de 50 minutos de duração, para uma sala virtual?

Os dados indicam o contrário. Neste estudo publicado em 2018 pelo Diário Internacional de Pesquisa Educacional, observou-se que quando as aulas eram mais curtas, seguindo a abordagem do microlearning, o rendimento dos alunos foi 18% melhor em comparação ao ensino tradicional.

No presente texto, vamos definir o microlearning e apresentar os benefícios de sua aplicação nas instituições de educação superior (IES). Em seguida, serão apresentadas orientações e casos de aplicação dessa abordagem.

O que é Microlearning?

Microlearning (no português, microaprendizagem) é uma metodologia de ensino baseada na transmissão do conhecimento em pequenas doses e temas bem definidos. O conteúdo global sobre algum tema é fragmentado em tópicos focados e objetivos, para que o ensino seja mais eficiente.

O microlearning viabiliza ao aluno uma melhor assimilação do conteúdo, sem que este seja reduzido ou perca sua qualidade. Isso acontece principalmente pela veiculação de vídeos curtos sobre a matéria, com duração média de 3 a 10 minutos.

No entanto, uma boa estratégia em microlearning deve ser executada através de outros recursos, como:

  • gamificação;
  • estudos de caso;
  • testes rápidos de fixação, em forma de quiz;
  • posts e artigos online;
  • podcasts;
  • materiais visuais, como apresentações e infográficos.

O microlearning é ideal no contexto das metodologias ativas e do ensino superior a distância, mas também funciona em quadros de ensino híbrido e no ensino presencial, na forma de materiais de apoio.

Quais são os benefícios do microlearning?

O microlearning apresenta diversas vantagens nos processos de ensino-aprendizagem, algumas das quais serão descritas a seguir.

1. Maior absorção do conhecimento

Segundo dados publicados pela Universidade Técnica da Dinamarca em 2019, a abundância de informação nos tempos atuais tem diminuído o tempo de atenção das pessoas. Diante dessa realidade, o microlearning possibilita que as IES mantenham alunos engajados, uma vez que o ritmo das aulas é adaptado à sua capacidade de foco.

Abordagens de ensino mais dinâmicas fazem com que o aluno se canse menos e consiga se manter concentrado. Além disso, contribuem para que o aluno consiga estabilidade nos estudos, o que, por sua vez, potencializa a memorização do conhecimento.

2. Solução em acessibilidade

Como é baseado em iniciativas de ensino a distância, o microlearning se combina perfeitamente a outra tendência, chamada mobile learning.

Conforme revelam os dados da pesquisa TIC Domicílios (2019), o acesso à internet pela população brasileira ocorre majoritariamente pelo aparelho celular:

Gráfico sobre acesso à rede no Brasil, segundo o dispositivo utilizado (telefone celular, computador, televisão e aparelho de videogame). Fonte: pesquisa TIC Domicílios.

Gráfico sobre acesso à rede no Brasil, segundo o dispositivo utilizado (telefone celular, computador, televisão e aparelho de videogame). Fonte: pesquisa TIC Domicílios, do Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação (CETIC.br).

Dessa forma, quando se fala sobre educação a distância, é necessário pensar que a maioria das pessoas irá estudar pelos dispositivos móveis. Como o microlearning é definido por doses curtas de conhecimento, é perfeitamente compatível com essa realidade.

Isso porque materiais mais extensos, como aulas de uma hora de duração ou textos de cem páginas, são carregados com mais dificuldade, a depender da qualidade da conexão e do dispositivo de acesso.

3. Melhor integração na rotina do aluno

Nesse estudo sobre microlearning e estratégias de desenvolvimento profissional, os pesquisadores Buchem e Hamelmann levantam outra vantagem importante dessa abordagem de ensino: é mais fácil conciliar os estudos com outras atividades.

A vida dos estudantes não se resume à sua formação, e é imprescindível ter isso em mente na formulação de estratégias pedagógicas. Buchem e Hamelmann consideram que o microlearning é uma solução nesse sentido, contribuindo inclusive para concretizar o lifelong learning.

Em outras palavras, o microlearning aumenta taxas de engajamento, participação, retenção e conclusão dos cursos.

4. Facilidade em atualizar e encontrar o conteúdo

O microlearning também auxilia na economia de recursos por parte da IES. Se o conteúdo de uma disciplina é dividido em parcelas menores, é mais fácil realizar sua manutenção caso alguma delas se desatualize.

Para ilustrar, vamos tomar como exemplo alguma disciplina do curso de Direito. Houve uma alteração legislativa pontual, que afetou apenas um tópico específico de determinada disciplina. É bem mais fácil substituir uma aula de 10 minutos sobre esse tema do que uma aula de 50 minutos que trate dele e de vários outros.

Da perspectiva do corpo discente, o microlearning também representa uma melhor organização do conteúdo. Isso auxilia em sua aprendizagem, uma vez que fica mais rápido encontrar os temas que precisam de reforço nos estudos.

Leia também: Tudo sobre aprendizagem significativa e como aplicar em sua IES

Como fazer o microlearning?

Microlearning não significa apenas dividir conteúdos em partes menores. É necessário todo um planejamento para que seja feito o máximo proveito dessa metodologia. 

Abaixo, descrevemos algumas diretrizes importantes para uma estratégia de sucesso em microlearning:

  • Transmissão do conteúdo por diferentes recursos: além do ensino em vídeo, o microlearning pode e deve ser veiculado por outros meios, como podcasts, infográficos, textos, apresentações, jogos, dentre outros.
  • Adaptação do conteúdo para dispositivos móveis: como o acesso ao conteúdo é realizado pelo celular na maioria dos casos, os materiais em microlearning precisam corresponder a essa realidade.
  • Indicação de materiais densos: o aluno é o protagonista de seu aprendizado. Para que tenha a prerrogativa de se aprofundar em cada tópico, é importante apontar livros, palestras e outros materiais mais extensos sobre o tema. 
  • Integração com espaços interativos: é também fundamental estimular o contato entre alunos e professores para que os materiais em microlearning sejam debatidos, de forma a estimular a comunicação e o pensamento crítico.

Casos atuais de aplicação do microlearning

O microlearning já é amplamente aplicado por instituições e plataformas de ensino no mundo. Reportamos, a seguir, algumas delas.

  • TED-ed: a plataforma TED Talks foi pioneira na aplicação do microlearning, ao produzir palestras de no máximo 20 minutos de duração. Hoje, desenvolveram o TED-ed, com vídeos de 5 a 10 minutos em que especialistas lecionam temas bem definidos, formulados em perguntas.
  • Duolingo: essa é uma plataforma de ensino em idiomas que começou como um site e hoje é um aplicativo. Associa microlearning e gamificação para promover a memorização de línguas.

Agora que você já sabe o que é microlearning, que tal se aprofundar um pouco mais no tema de aprendizagem ativa? Conheça algumas estratégias de metodologias ativas neste artigo!

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *