O ENADE e suas consequências para os cursos de graduação

Os indicadores dos instrumentos de avaliação institucional do Ministério da Educação (MEC)  são essenciais para uma Instituição de Educação Superior (IES) no que se refere ao planejamento e à administração de seus processos pedagógicos.

O Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI), construído com base nesses indicadores, permite que os cursos oferecidos pela IES estejam alinhados no cumprimento da missão institucional.

Da mesma forma que os indicadores de avaliação institucional devem direcionar o PDI, os indicadores de avaliação de cursos e as Diretrizes Curriculares Nacionais (DCN) devem direcionar o projeto pedagógico de um curso. Nesse sentido, pode-se considerar que um processo de construção de um curso de graduação depende de uma sequência de etapas:

Etapa 1. Indicadores de Avaliação Institucional;

Etapa 2. Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI);

Etapa 3. Diretrizes Curriculares Nacionais (DCN);

Etapa 4. Indicadores de Avaliação de Cursos de Graduação;

Etapa 5. Projeto Pedagógico do Curso (PPC).

Com um projeto pedagógico bem direcionado e fundamentado, é possível oferecer um curso de qualidade, que desenvolva nos estudantes as habilidades e competências exigidas nas DCN na construção do perfil do egresso. O desempenho dos estudantes é avaliado pelo Enade, Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes.

O ENADE avalia a aquisição de competências e habilidades dos discentes a partir dos conteúdos programáticos dos respectivos cursos. Diante disso, os conteúdos devem ser trabalhados à luz dessas habilidades e competências.

Nesse sentido, Canan & Eloy (2016) defendem que o modelo de avaliação proposto pelo Enade, deve ser trabalhado de desde o início do curso, como metodologia de avaliação institucionalizada no PDI e, consequentemente, refletida nos Projetos Pedagógicos dos cursos ofertados pela IES.

O Enade como instrumento de avaliação

Os conceitos obtidos pelos estudantes no Enade são públicos e, por isso, geram impacto para imagem do curso e da IES. Assim que o resultado do Enade é divulgado pelo MEC, os órgãos de imprensa dão ampla visibilidade aos números e passam a traçar comparações muitas vezes apressadas e generalizantes.

Se, por um lado, um bom resultado permite que a instituição de ensino possa alavancar a captação de alunos, por outro, um resultado insuficiente – conceito entre 1 e 2 – exigirá a celebração de um protocolo de compromissos com o MEC e poderá culminar em sanções e até na  evasão dos alunos. Por isso, é imprescindível que os gestores educacionais estejam atentos aos processos pedagógicos dos cursos oferecidos pela IES.

A análise dos indicadores educacionais

A partir da nota dos alunos no Enade, dois indicadores educacionais são calculados: o Conceito Preliminar de Curso (CPC) e o Índice Geral de Cursos Avaliados da Instituição (IGC). Para compreender como o ENADE influencia tais indicadores é necessário estudar as notas técnicas do INEP:

Nota técnica DAES nº 3/2017 referente ao CPC

Nota técnica DAES nº 4/2017 referente ao IGC

Conscientização dos professores e dos estudantes

Os gestores das IES têm o dever de manter os professores cientes da missão institucional e alinhados ao projeto pedagógico do curso em que lecionam. A clareza quanto a esses aspectos direciona as ações docentes no sentido de trabalhem com objetivos claros e visão global sobre o curso e a IES. A conscientização dos professores, além de efetivar as determinações do PPC – muitas vezes desconhecidas por eles -, afeta diretamente o desempenho dos estudantes em avaliações como o Enade.

Além de um trabalho em equipe, alinhado e claramente direcionado, a conscientização dos estudantes no sentido de mostrar as consequências positivas trazidas por um bom resultado no Enade, tanto para o curso quanto para a comunidade, também pode gerar efeitos positivos. Nesse sentido, Canan & Eloy (2016) lembram que um bom resultado no Enade pode, entre outros benefícios:

  • Comunicar à sociedade boa formação oferecida pelo curso e da IES;
  • Indicar para o mercado de trabalho que os egressos do curso têm perfil profissional diferenciado;
  • Garantir uma bolsa da CAPES para mestrado e doutorado.

O respeito a um PPC bem construído, decorrente das DCN do respectivo curso e do PDI da IES, combinado com a clareza dos objetivos a serem alcançados pelos docentes, fará com que o resultado dos estudantes no Enade não seja uma preocupação, mas um atestado de qualidade e respeito às normas do Sistema Federal de Ensino.

Análise estratégica com a ferramenta Resultado Enade

A ferramenta Resultado Enade  — desenvolvida pela Saraiva Educação — é a maneira mais rápida e eficaz de analisar o desempenho de uma organização, pois reúne todos os dados estatísticos necessários para fazer uma análise completa do desempenho da instituição.

A partir da plataforma do Resultado Enade, é possível não só verificar o desempenho dos alunos de um curso, como também:

  • Acompanhar o conceito Enade de cada curso da instituição de ensino superior;
  • Comparar os resultados da IES com os resultados das suas concorrentes;
  • Analisar o desempenho da IES na formação geral e no componente específico;
  • Avaliar o CPC (Conceito Preliminar de Curso) de cada curso da sua IES;
  • Verificar a evolução da IES a partir do histórico, quando houver;
  • Acompanhar como o Índice Geral de Cursos (ICG) da IES.

Sendo assim, a ferramenta online Resultado Enade é, hoje, a melhor opção para os gestores que necessitam de dados concretos e organizados sobre sua IES em tempo real e em um só lugar.

Nosso artigo ajudou você a ver o Enade de outra maneira? Quer fazer uma avaliação gratuita de seu curso e da sua instituição de ensino? Acesse agora a ferramenta online Resultado Enade!

Referências

BRASIL. Lei nº 10.861 de 14 de abril de 2004. Lei do SINAES. Legislação federal. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/lei/l10.861.htm> acesso em 05 out. 2017.

CANAN, Sílvia Regina; ELOY, Vanessa Taís. Políticas de avaliação em larga escala: o Enade interfere na gestão dos cursos? Práxis Educativa. Ponta Grossa, p. 621-640, v. 11, n. 3, set./dez. 2016 Disponível em: <http://www.revistas2.uepg.br/index.php/praxiseducativa/article/view/8996/5250> acesso em 01 out. 2017.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *