Personalização do ensino: fotografia de uma mulher estudando. Ela está mexendo no notebook e fazendo anotações em um caderno.

Saiba tudo sobre personalização do ensino: o que é, benefícios e como aplicar

Com as frequentes mudanças observadas na maneira como entendemos e desenvolvemos a educação em um mundo tecnológico, as instituições de educação superior tiveram que se adaptar a um novo contexto. Nele, os alunos têm diferentes interesses, formas de aprender, ritmos e maneiras de se expressar. Por isso, foi necessário repensar o que é um ensino superior de qualidade.

Nesse processo, diversas novidades apareceram. Dentre elas, uma das que mais se destacam diz respeito ao papel central do estudante no seu processo de ensino-aprendizagem

E, para garanti-lo de vez, a personalização do ensino se apresenta como uma proposta muito interessante. Neste artigo, te contaremos tudo o que você precisa saber sobre ela.

O que é personalização do ensino?

A personalização do ensino é uma proposta pedagógica que visa levar em consideração os interesses, as necessidades e o tempo de aprendizagem do aluno. Nesse sentido, ela se constitui como uma maneira inovadora de pensar todo o processo de ensino, porque promove mudanças intensas em sua estrutura.

O respeito pela individualidade dos estudantes é a sua característica principal. O ensino personalizado entende que cada aluno aprende de uma maneira e em um ritmo e, por isso, a instituição de ensino deve estar preparada para lidar com diferentes metodologias e ferramentas. Atender aos objetivos e reduzir as dificuldades do corpo discente é uma parte central dessa proposta.

Assim, a personalização do ensino trabalhará respeitando as características individuais dos estudantes, tornando-os protagonistas do seu aprendizado. Ao olhar para suas facilidades e seus interesses, traça estratégias e oferece recursos pedagógicos mais assertivos. Desse modo, proporciona mais engajamento e autonomia, além de agilizar todo o processo educativo.

Quais são os principais benefícios da personalização do ensino?

Uma vez que a personalização do ensino tem como foco a centralidade do estudante no seu processo de aprendizagem, ela promove uma série de transformações positivas na instituição de ensino. Destacamos, abaixo, algumas delas.

1. Engaja o aluno nos processos educacionais

Ao levar em consideração os interesses e necessidades individuais do aluno, a personalização do ensino faz com que ele se sinta motivado para participar das aulas. Isso porque ela oferece ferramentas adequadas ao seu processo e que dialogam não apenas com as suas habilidades, mas com o que o motiva. Assim, aumenta o interesse do estudante pela disciplina/curso, o que faz com que ele participe ativamente de aulas e projetos.  

Esse aumento do engajamento pode ser causado tanto pelo uso de metodologias ativas, quanto pelo respeito ao tempo próprio daquele estudante. Afinal, uma instituição que lhe dá os materiais necessários para se desenvolver sem pressa e em diálogo com a sua personalidade faz com que ele se sinta motivado para estudar cada vez mais.

2. Estimula o comportamento colaborativo

Embora a personalização do ensino seja uma proposta pedagógica individual, ela promove um trabalho em grupo mais assertivo e funcional. Isso porque os alunos se sentem amparados em seus momentos privados de ensino e aprendizagem, e, portanto, estão mais seguros durante as aulas e projetos, prontos para trocar conhecimentos e habilidades.

Além disso, ao reforçar os pontos fortes dos estudantes e trabalhar as suas dificuldades com mais atenção, o ensino personalizado permite que eles conheçam melhor as ferramentas que os auxiliam. Dessa maneira, quando precisam atuar colaborativamente, sabem quais atividades podem ser feitas de modo otimizado e quais demandam mais tempo e cuidado.

3. Potencializa o desenvolvimento de competências e habilidades

Ao considerar sobretudo as características individuais dos estudantes, a personalização do ensino os direciona para atividades e propostas pedagógicas que dialogam com aquilo que os alunos melhor entendem. Dessa maneira, eles recebem estímulos para desenvolver conhecimentos e habilidades.

Da mesma forma, a personalização permite que os estudantes tenham acesso aos conteúdos considerados “difíceis” de modo dinâmico. Com isso, eles aprendem a superar dificuldades com mais facilidade, tendo contato com competências que precisam desenvolver de maneira mais leve e interessante.

4. Proporciona uma maior adaptação à IES

Ao chegar em uma instituição de ensino, é comum que o estudante de nível superior precise fazer algumas adaptações, tanto na sua rotina, quanto no seu modo de aprender. No entanto, com a personalização do ensino, esse processo se torna mais simples e eficiente.

Isso se dá porque as particularidades daquele novo aluno são levadas em consideração. Assim, ele pode se desenvolver dentro da IES sem que, para isso, tenha que entrar em um ritmo de aprendizado que não é o seu, usando ferramentas que não dialogam com seus interesses. 

5. Otimiza o processo de ensino-aprendizagem

Como já dissemos, a personalização do ensino leva em conta o ritmo individual dos alunos. A partir disso, eles adquirem maior autonomia para guiar o seu processo de ensino-aprendizagem, levando em consideração suas vontades e objetivos. 

Isso significa que os alunos não só se sentem mais motivados para estudar, como dissemos, mas também que eles não perdem tempo reforçando conteúdos que já dominam. Na verdade, podem passar por eles com maior velocidade, o que facilita o percurso pedagógico. Assim, se dedicam sobretudo àqueles conhecimentos que ainda precisam adquirir e aprimorar, tornando toda a sua trajetória educacional mais bem-direcionada e assertiva.

6. Melhora o relacionamento com professores

A personalização do ensino também faz com que estudantes e docentes se comuniquem de forma mais clara. Isso porque os professores têm uma melhor dimensão das facilidades e dificuldades do aluno, podendo, assim, guiar o processo de ensino-aprendizagem de uma maneira mais efetiva e dinâmica.

Além disso, o ensino personalizado abre um canal de comunicação livre de julgamentos para o aluno, que ganha confiança na hora de explorar conteúdos com os quais não tem muita familiaridade. Ao saber que a instituição e os professores estarão dispostos a ajudá-lo, ele se sente motivado para expressar eventuais problemas, tirar dúvidas, participar ativamente da aula etc.

Como as tecnologias se relacionam com a personalização do ensino?

Evidentemente, a personalização do ensino se relaciona profundamente com a tecnologia e as inovações digitais. Afinal, essa proposta pedagógica é uma maneira de adequar as instituições de ensino às demandas da sociedade contemporânea, que está, cada vez mais, ocupando o ambiente online.

Ao lançar mão de ferramentas digitais, o ensino personalizado encontra ainda mais formas de dialogar diretamente com as necessidades individuais dos alunos. Isso porque a tecnologia oferece uma série de estratégias inovadoras e diferenciadas, focadas em atender a diferentes públicos e gerar diversos tipos de respostas.

Pensando nisso, as instituições de ensino que já utilizam essas ferramentas garantem mais um diferencial que as destaca no mercado. Além do uso dos ambientes digitais ser cada vez mais importante para a promoção de uma educação de qualidade, neste caso ele também possibilita que os alunos se sintam mais à vontade, dispostos e motivados para estudar e construir conhecimento.

Quais metodologias usar?

Na lista de possibilidades que a IES pode — e deve — explorar para personalizar o ensino, aparecem metodologias ativas como:

1. Jogos e animações

A gamificação é uma das mais populares metodologias ativas da atualidade. Além de promover um maior engajamento entre os alunos, ela é estruturada a partir de um sistema de fases de aprendizado que remete à Taxonomia de Bloom, o que garante uma trajetória de ensino efetiva.

Além disso, animações tornam as aulas mais dinâmicas e podem ser muito úteis para tornar uma explicação teórica mais clara. Em cursos que trabalham conceitos muito subjetivos, como as engenharias, por exemplo, elas podem ser um diferencial.

2. Cultura maker

Para desenvolver produtos e projetos, a metodologia maker é uma das mais eficientes. Isso porque ela promove o pensamento do “faça você mesmo”, que ajuda os estudantes a compreenderem a fundo uma situação ou um problema, em vistas de resolvê-lo. 

Desse modo, estimula a criatividade, a dinamicidade e a resolução de problemas, além do trabalho em grupo. Pode ser utilizada, ainda, para que o aluno entenda mais a fundo um processo que, à princípio, parece ser de difícil resolução. Assim, aumenta os conhecimentos práticos dos estudantes, tornando-os mais preparados para lidar com o ambiente profissional.

3. Método PBL

Seja para resolver problemas, seja para desenvolver projetos, a metodologia PBL estimula a aprendizagem colaborativa e participativa. Os alunos são motivados a responder uma pergunta ou desafio, o que estimula o seu engajamento e promove um conhecimento mais profundo dos processos de um determinado curso ou disciplina.

Pelo método PBL, é possível chegar a mais de uma resposta correta. Por isso, ele pode ser muito útil quando unimos diferentes alunos, com diversas personalidades e dificuldades, em um mesmo projeto ou trabalho. Ao pensarem juntos, eles dinamizam seus conhecimentos e ampliam suas competências e habilidades.

4. Sala de aula invertida

Com a sala de aula invertida, o espaço da sala de aula é reservado para o aprendizado ativo e compartilhado. Dessa maneira, respeita-se o tempo dos alunos para assimilar determinados conteúdos, que serão estudados de modo privado. A presença do professor e dos demais colegas acaba sendo, portanto, um estímulo ao diálogo e ao esclarecimento de eventuais dúvidas.

Soma-se a isso o fato de que a sala de aula invertida promove maior autonomia e controle do estudante sobre o seu processo de ensino-aprendizagem. Por meio dela, é possível adequar os horários de estudo a diferentes realidades e necessidades, respeitando-se, ainda, as diferentes vivências dos estudantes.

Como implementar a personalização do ensino na IES?

Agora que você já conhece a personalização do ensino de modo mais profundo, é hora de compreender como ela pode ser implementada na IES. E, uma vez que é uma proposta pedagógica inovadora e que visa transformar o modo como pensamos a educação, é evidente que ela implica em mudanças profundas.

Então, em primeiro lugar, é preciso garantir que toda a instituição de ensino está ciente das alterações que acontecerão, tanto na sala de aula quanto fora dela. Adequar uma IES a uma nova proposta não é um trabalho simples e, portanto, todos os funcionários devem estar preparados para os desafios.

Em seguida, é necessário investir em equipamentos de qualidade e em treinamentos que qualifiquem os docentes. Como mostramos, a personalização do ensino está intimamente ligada à tecnologia e, por isso, é urgente que os professores saibam como utilizá-las. Nesse cenário, a educação digital surge como um diferencial, e, simultaneamente, a falta de informações sobre as formas de uso da tecnologia pode se apresentar como um desafio.

Por fim, torna-se importante propor avaliações dinâmicas dos conteúdos aplicados aos estudantes. Evidentemente, se as suas individualidades são levadas em consideração, não faria sentido submetê-los todos à mesma prova final única. Por isso, deve-se pensar em novas estratégias de avaliação e aplicá-las ao longo de todo o período. 

Além disso, essas avaliações devem levar em consideração não apenas os pontos atingidos pelos alunos, mas os dados que esses valores numéricos revelam. Desse modo, é possível observar onde residem suas dificuldades e como elas podem ser trabalhadas em momentos futuros. Garante-se, assim, uma educação de qualidade e um processo de ensino-aprendizagem mais efetivo e dinâmico.

Leia também: Saiba o que é e como usar Learning Analytics em sua IES

Como desenvolver a personalização do ensino no ensino híbrido?

No ensino híbrido, a tecnologia não é apenas uma ferramenta, mas uma das bases do processo de ensino-aprendizagem. Sem ela, não é possível aplicar ferramentas pedagógicas e nem adequar os conteúdos aos alunos e às suas diferentes realidades e necessidades.

Pensando nisso, a personalização do ensino, nesses casos, deve estar ainda mais preocupada em identificar as particularidades dos alunos. Oferecer aulas expositivas e pouco dinâmicas, além de não caracterizar uma jornada de aprendizagem muito eficaz, reduz drasticamente o interesse dos estudantes. 

Desse modo, há algumas medidas que devem ser tomadas pela IES. São elas: 

  • Dar a oportunidade para o estudante organizar o seu próprio tempo de estudo, respeitando-se o seu processo de aprendizagem e garantindo-lhe maior centralidade;
  • proporcionar ao professor que gerencie o seu tempo de aula de maneira mais dinâmica, levando em consideração o progresso dos alunos e os momentos em que o ensino se dará de maneira remota;
  • auxiliar o desenvolvimento da autonomia dos alunos, fazendo com que eles busquem, de modo independente, superar suas dificuldades a partir das ferramentas oferecidas pelo professor e pela IES;
  • permitir a elaboração de atividades criativas, tanto pelo corpo docente, que deve ter liberdade para inovar em sala de aula, quanto pelo corpo discente, que pode apresentar trabalhos únicos, a partir dos seus interesses pessoais.

Com base em tudo o que apresentamos ao longo deste artigo, fica evidente que a personalização do ensino é uma maneira de destacar a IES e promover um ensino efetivo e direcionado. Mais do que inserir as instituições na contemporaneidade, o ensino personalizado proporciona maior desenvolvimento de habilidades e a qualificação para diferentes tipos de trabalho. 

E agora que você já sabe tudo sobre a importância da personalização do ensino, não deixe de conferir também o papel da curadoria educacional para a qualidade da educação em sua IES.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *