O que é o Plano de Internacionalização da Universidade, quais são seus benefícios e como colocá-lo em prática

O plano de internacionalização da universidade é um projeto que poderá levar a sua IES a outro patamar! Saiba quais são os passos para desenvolvê-lo neste artigo.
Plano de internacionalização Universidade: fotografia de 4 estudantes universitários andando pelo corredor de uma instituição de ensino superior.

A internacionalização pode ser definida como a troca política, social, econômica e cultural efetivada entre países. No âmbito educacional, o fenômeno da globalização é responsável por dinamizar as relações de ensino, proporcionando autonomia e criatividade no ambiente acadêmico-científico. 

Nesse cenário, o Plano de Internacionalização da Universidade objetiva criar estratégias que possibilitem a internacionalização da educação superior. Por meio do Plano, é possível oferecer experiências enriquecedoras aos alunos, facilitar o estabelecimento de redes de ensino pelo mundo e diminuir as barreiras linguísticas existentes. 

Pensando nisso, preparamos este artigo para explicar o que é o Plano de Internacionalização da Universidade, quais são seus benefícios para as instituições de ensino e quais são as estratégias para colocá-lo em prática. Confira! 

O que é o Plano de Internacionalização da Universidade?

A necessidade de especialistas e pesquisadores, unida ao avanço da globalização, fez surgir uma aproximação entre o Estado e a universidade. A partir disso, consolidou-se a importância da universidade como fortalecedora das economias nacionais e dos processos de desenvolvimento tecnológico e científico, que deu origem ao processo de internacionalização da educação.

Assim, foram originadas políticas públicas que fomentaram a pesquisa e a formação de pesquisadores em vários países. No Brasil, a regulação institucional possibilitou a criação de agências nacionais, destacando-se a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), que está vinculada ao Ministério da Educação (MEC), e o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), que está vinculado ao Ministério da Ciência e Tecnologia. 

As políticas públicas determinam, principalmente: 

  • A cooperação internacional das universidades brasileiras;
  • O desenvolvimento científico e tecnológico;
  • A inserção internacional da universidade brasileira. 

Partindo de uma análise do conjunto de programas de cooperação internacional desenvolvido ao longo dos últimos anos pela CAPES e pelo CNPq, é possível extrair os exemplos de programas: 

  • Programas de Formação – Intercâmbio de alunos dos cursos de graduação e pós-graduação no exterior.  
  • Programas de Pesquisa Conjunta entre Países – Cooperação científica por meio de pesquisa conjunta entre os países. 
  • Programas de Formação Interinstitucional – Intercâmbio acadêmico de estudantes, professores e pesquisadores de pós-graduação para qualificação dos programas de pós-graduação das instituições brasileiras. 

Nesse cenário, o Plano de Internacionalização da Universidade é o estudo que prevê de que forma se pretende internacionalizar a instituição de educação superior (IES). Nesse documento é preciso apresentar: 

  • Os objetivos pretendidos pela instituição de ensino;
  • O cronograma previsto para alcançar as metas propostas;
  • Os programas e ações estratégicos de internacionalização da IES; 
  • As políticas linguísticas da instituição, entre outros.

Quais são os benefícios do Plano de Internacionalização da Universidade?

Iniciar um Plano de Internacionalização da Universidade traz diversos benefícios para o corpo discente, para o corpo docente e para a própria instituição. A seguir listamos os principais motivos: 

1. Diversidade linguística

Atrair jovens pesquisadores estrangeiros ou enviar alunos para universidades de outros países garante o aperfeiçoamento das habilidades linguísticas dos discentes e docentes. 

É durante um intercâmbio acadêmico que os estudantes têm contato com outros idiomas e culturas, o que enriquece o aprendizado e favorece a prática da diversidade linguística. 

Além disso, a partir dessas experiências a IES se tornará mais apta a aumentar a oferta de disciplinas em outros idiomas, melhorando a experiência do aluno e trazendo mais credibilidade para a instituição

No mesmo sentido, a qualidade dos artigos e trabalhos desenvolvidos em outros idiomas cresce, o que confere maior visibilidade para a IES

2. Pesquisa e inovação

Promover a internacionalização da universidade aumenta significativamente o impacto das produções científicas e destaca a instituição internacionalmente. Ainda, é a partir da internacionalização que a IES: 

  • Amplia a capacidade de captar recursos em editais internacionais;
  • Garante a transferência dos conhecimentos produzidos;
  • Atrai pesquisadores com excelência acadêmica. 

Leia também: Tudo o que você precisa saber sobre inovação na educação superior

3. Visibilidade e difusão do conhecimento 

Além dos benefícios já expostos, ao atrair pesquisadores e docentes estrangeiros, a IES aumenta o reconhecimento do ensino e também: 

  • Facilita parcerias estratégicas com outras instituições; 
  • Amplia a difusão do conhecimento produzido; 
  • Expande programas de mobilidade acadêmica; 
  • Apoia a elaboração de projetos de pesquisa, artigos científicos e livros em língua estrangeira, o que pode atrair recursos de agências internacionais de fomento à pesquisa. 

Portanto, é possível perceber que a internacionalização da universidade e a consequente  cooperação internacional são capazes de gerar benefícios mútuos para as instituições cooperantes, para comunidade acadêmica e para a gestão da IES

Como elaborar o Plano de Internacionalização da Universidade?

Após entender o que é e quais são os benefícios do Plano de Internacionalização da Universidade, redigimos um passo a passo com estratégias para ajudar a IES a elaborar o planejamento. Veja a seguir: 

1. Preparação

O primeiro passo para desenvolver o Plano é identificar o contexto da IES e fazer um levantamento do orçamento disponível, da infraestrutura e do interesse da comunidade acadêmica. 

2. Objetivos

Após o recolhimento dos dados obtidos na etapa da preparação, chega o momento de definir os objetivos esperados com a internacionalização. Nessa etapa, a IES deve elencar objetivos relativos à pesquisa, à cultura, ao ensino e aos investimentos esperados. 

3. Operacionalização

Com os objetivos elencados, a instituição precisa refletir sobre quais serão os recursos efetivamente destinados ao Plano e como as competências pretendidas serão desenvolvidas. 

Para tanto, é necessário estabelecer contatos internacionais com outras instituições e firmar contratos que garantam a execução das metas planejadas. 

Importante: A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) divulgou o seu Guia para Aceleração da Internacionalização Institucional: Pós-Graduação Stricto Sensu, elaborado pela Diretoria de Relações Internacionais (DRI) do órgão.

O guia é voltado para gestores de Instituições de Ensino Superior que fazem parte ou desejam integrar o Programa Institucional de Internacionalização, orientando sobre como alcançar os padrões de excelência no ensino, pesquisa e extensão necessários para a inserção das instituições no cenário global. Acesse nossa pílula da educação com a notícia completa e com o link para o guia clicando aqui

Esperamos que o artigo tenha ajudado a sua IES a entender a importância do Plano de Internacionalização e os passos para elaborá-lo. Agora, que tal ler sobre como é a avaliação do MEC nas IES?

Você também pode gostar

Curso de Direito EaD?
A Saraiva Educação preparou várias trilhas de aprendizado explicar como implementar na sua IES.

Artigos em destaque

Inscreva-se em nossa newsletter e receba nossos conteúdos em primeira mão!

Deseja manter-se sempre atualizado? Receba quinzenalmente uma seleção de materiais sobre a educação superior — é só informar seu melhor endereço de e-mail!

[KIT GRATUITO]

Advogado do futuro: dicas para preparar os estudantes de sua IES

Em comemoração ao Dia do Advogado, criamos um kit de materiais gratuitos com os nossos principais conteúdos para que a sua IES apoie os advogados em formação.