Pós-graduação lato sensu: fotografia de uma mulher assistindo a uma aula online. Ela sorr e está com uma das mãos levantada.

Saiba tudo sobre as características, como funciona e a legislação da pós-graduação lato sensu

De acordo com um estudo realizado pelo Instituto Semesp, entre 2016 e 2020 o número de matriculados em cursos de especialização lato sensu e MBA cresceu 74%. O crescimento é considerável, principalmente quando comparado ao aumento das matrículas em graduação, que cresceu apenas 1,9%, em um período em que a pós-graduação cresceu 21%.

Um dos principais motivos que explicam esse aumento é a necessidade de garantir empregabilidade entre os concluintes. A alta do desemprego é responsável por exigir cada vez mais especialização e atualização de quem busca uma colocação no mercado de trabalho. 

Dessa forma, é importante que as instituições de educação superior (IES) estejam aptas para ofertar cursos de pós-graduação lato sensu para os alunos. Neste artigo, iremos apresentar as principais características dessa modalidade, explicar o seu funcionamento e a legislação. Continue a leitura! 

Quais são as características da pós-graduação lato sensu?

Os cursos de pós-graduação lato sensu são programas de educação continuada que objetivam complementar a formação acadêmica, atualizar, incorporar competências técnicas e desenvolver novos perfis profissionais, com vistas ao aprimoramento da atuação no mundo do trabalho e ao atendimento de demandas por profissionais tecnicamente mais qualificados. 

Isso ocorre, em grande parte, porque à medida que transformações tecnológicas ocorrem, parte significativa dos conhecimentos se desatualiza rápido – o que faz com que a obtenção do diploma de graduação não seja mais o ápice de construção deles. Isso leva muitos profissionais a buscarem cada vez mais cursos de pós-graduação, principalmente os que garantem aquisição de habilidades de maneira ágil.

A pós-graduação lato sensu compreende os cursos de especialização e os cursos de Master Business Administration (MBA). Abaixo, iremos apresentar as principais características dos cursos que compõem a pós lato sensu. Confira! 

1. MBA

Master in Business Administration, ou MBA, é um curso de pós-graduação lato sensu com foco na prática profissional. O foco desse curso é formar profissionais que estejam preparados para ocupar cargos de gerência e gestão corporativa. 

O conceito do MBA surgiu nos Estados Unidos, durante o século 20, com o objetivo de ser um curso de gestão para contadores, com foco no ambiente industrial.

No Brasil, o MBA somente começou a se popularizar a partir da década de 1990, com a necessidade de profissionais e gestores mais qualificados. O MBA no Brasil se difere principalmente por não ser um curso integral e por fazer parte da pós-graduação lato sensu

A grade curricular deste curso inclui majoritariamente disciplinas de marketing, de recursos humanos e de finanças. O foco é trabalhar o desenvolvimento de competências essenciais à prática profissional. 

2. Especialização

A especialização abrange diversas áreas do conhecimento, o que propicia várias possibilidades para os estudantes interessados nessa modalidade de pós-graduação. 

Para ingressar em uma especialização é necessário ter concluído, antes, um curso de graduação. A certificação concedida para o estudante após o curso de pós-graduação é de especialista na área escolhida, que pode ser diferente da cursada durante a graduação. 

A especialização possui uma duração bem menor que a graduação, com carga horária mínima de 360 horas e sem tempo de integralização mínimo.

E na modalidade EaD, como funciona a pós-graduação lato sensu?

Devido a essa ser uma modalidade de educação superior com disseminação ainda recente no país, é compreensível haver certa desconfiança quanto à qualidade dos cursos EaD. Entretanto, é importante que ocorra a tranquilização dos (futuros) estudantes de pós-graduação: as especializações e os MBAs na versão EaD são tão bem estruturados quanto seus respectivos cursos presenciais!

A certificação das pós-graduações a distância é a mesma que recebe um estudante da modalidade tradicional, e é reconhecida da mesma forma pelo MEC. Além disso, o estudante conta com outras vantagens. Confira!

1. Valores de mensalidade e custos gerais mais baixos

Não é uma regra, afinal valores de mensalidades variam de IES a IES, mas devido à não necessidade de presença física, os cursos de pós-graduação lato sensu EaD costumam ser mais baratos em termos de mensalidade. Além disso, o aluno economiza com transporte e alimentação, já que pode acompanhar as aulas e atividades em casa.

2. Possibilidade de fazer a pós em instituições renomadas de outra cidade ou estado

Alguns cursos de pós-graduação exigem a realização de provas e outros exames nos polos de apoio à modalidade EaD. Porém, essa vem deixando de ser uma regra: já há muitos cursos oferecidos por instituições renomadas que propõem que todas as atividades sejam realizadas a distância, de maneira síncrona ou assíncrona.

Com isso, optar pelo formato EaD é mais uma vantagem para quem deseja estudar em uma IES com bom nome que esteja localizada em outro estado ou outra cidade, por exemplo, sem que essa escolha represente custos adicionais.

3. Flexibilidade nos horários de estudo

Um dos grandes benefícios dos cursos EaD, que favorece a opção, é o fato de boa parte das aulas (ou todas, dependendo da instituição) poderem ser acompanhadas de forma assíncrona – ou seja, o estudante escolhe o horário mais adequado para assistir e realizar as tarefas. Isso é bastante positivo para pessoas que têm agendas mais apertadas de horário, ou que simplesmente não têm disponibilidade para acompanhar o curso em um horário fixo todos os dias ou semanas.

4. Possibilidade de assistir e reassistir as aulas

Os cursos a distância oferecem, em geral, a possibilidade de assistir e reassistir as aulas quantas vezes for necessário para o aprendizado. Essa ideia vale até mesmo para as aulas síncronas: se forem realizadas por videoconferência, as plataformas permitem a gravação das falas do professor para que o estudante possa revê-las posteriormente, no momento de estudo individual – o que é uma grande vantagem, já que, diferentemente do curso presencial, a revisitação das falas do professor não fica restrita apenas a quem conseguiu registrá-las no momento de aula.

As vantagens oferecidas pelos cursos EaD, nesse sentido, fazem com que a possibilidade de realizar uma pós-graduação se torne mais palpável para diferentes perfis de pessoas, sem que haja qualquer perda em termos acadêmicos na comparação com os cursos presenciais.

Qual é a legislação para a pós-graduação lato sensu?

Inicialmente, é importante destacar que as normas específicas para pós-graduação lato sensu são de competência da Câmara de Educação Superior do Conselho Nacional de Educação (CES/CNE).  Ainda, a pós-graduação lato sensu tem suas políticas educacionais acompanhadas pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). 

A Resolução CNE/CES nº1 de abril de 2018, com o inciso I do artigo 2º alterado pela Resolução nº 4, de dezembro de 2018, estabelece as diretrizes e normas para a oferta dos cursos de pós-graduação lato sensu e dispõe que: 

  •  Os cursos de especialização são abertos a candidatos diplomados em cursos de graduação, que atendam às exigências das instituições ofertantes.
  • Os cursos de especialização podem ser oferecidos presencialmente ou a distância, observadas a legislação, as normas e as demais condições aplicáveis à oferta, à avaliação e à regulação de cada modalidade, bem como o Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI). 
  • Os cursos de especialização podem ser oferecidos por IES devidamente credenciadas para a oferta de cursos de graduação nas modalidades presencial ou a distância.
  • É possível convênio ou termo de parceria congênere entre instituições credenciadas para a oferta conjunta de curso(s) de especialização no âmbito do sistema federal e dos demais sistemas de ensino. 
  • A oferta institucional de cursos de especialização é sujeita, no seu conjunto, à regulação, à avaliação e à supervisão dos órgãos competentes.
  • Os cursos de especialização são registrados no Censo da Educação Superior e no Cadastro de Instituições e Cursos do Sistema e-MEC
  • Farão jus ao certificado apenas os alunos que tiverem obtido aproveitamento segundo os critérios de avaliação previamente estabelecidos (projeto pedagógico), assegurada, nos cursos presenciais, pelo menos, 75% de frequência.

Ainda, para cada curso de especialização será previsto Projeto Pedagógico de Curso (PPC), constituído pelos seguintes componentes:

  1. matriz curricular, com a carga horária mínima de 360 (trezentos e sessenta) horas. Ela deve conter também disciplinas ou atividades de aprendizagem com efetiva interação no processo educacional, com o respectivo plano de curso. Ainda, deve apresentar os objetivos, programa, metodologias de ensino-aprendizagem, previsão de trabalhos discentes, avaliação e bibliografia;
  2. composição do corpo docente, devidamente qualificado; 
  3. processos de avaliação da aprendizagem dos estudantes. 

Leia também: Conheça os principais pontos da legislação sobre pós-graduação no Brasil

Legislação para a pós-graduação lato sensu EaD

A pós-graduação a distância possui estrutura similar à presencial. Entretanto existem algumas diferenças de regulamentação. São elas:

Leia também: Guia do ensino superior a distância no Brasil

Quais são os benefícios para a IES de ofertar cursos de pós-graduação lato sensu?

A pós-graduação lato sensu se tornou uma das modalidades de educação superior mais procuradas no país. Além dos dados trazidos no início deste artigo, há outros fatores que influenciam o aumento da procura por esse tipo de curso.

A pandemia de covid-19 levou bilhões de pessoas ao home office e, em muitos lugares, ao desemprego. Esse problema atingiu diretamente pessoas recém-formadas: segundo um estudo do Núcleo Brasileiro de Estágios (Nube), até 2019, cerca de 27,02% dos graduados brasileiros conseguiram ingressar no mercado de trabalho na área em que se formaram em menos de três meses após a formatura. Esse dado caiu para 14,87% após o início da pandemia.

Uma das formas encontradas pelas pessoas para tentar reverter esse problema é justamente recorrer à pós-graduação, curso que permite uma formação mais específica na área de interesse e tende a aumentar as chances de ingresso no mercado de trabalho.

A pós-graduação lato sensu, nesse cenário, funciona ainda melhor: por ser um curso mais focado e, muitas vezes, com duração relativamente curta, atende muito bem a essas finalidades.

Assim, a IES que se adapta a esses novos cenários e passa a ofertar cursos de pós-graduação lato sensu acaba por se destacar e oferecer vantagens a seus potenciais estudantes. São inúmeras as instituições que já aderiram ao oferecimento de especializações e MBAs com bons resultados. 

Além de poder verificar um aumento na captação de alunos, essas instituições também estimulam o aumento da produção e pesquisa acadêmicas – o que traz apoio para o aumento da credibilidade e do renome da instituição.

Outro benefício que pode ser bem explorado é a retenção de estudantes de graduação. Uma boa estratégia de divulgação das vantagens de cursar uma pós-graduação pode ajudar a manter estudantes de uma etapa para a outra na mesma IES.

Como a IES pode desenvolver um curso de pós-graduação lato sensu?

Considerando a alta demanda por matrículas em cursos de pós-graduação lato sensu, é importante que a IES esteja preparada para desenvolver os programas de educação continuada. 

Pensando nisso, listamos algumas dicas que serão fundamentais nesse processo. Veja a seguir!

1. Fortaleça o bom nome da instituição

Para que a IES consiga oferecer cursos de pós-graduação lato sensu, como especializações ou MBAs, é imprescindível que o bom nome da instituição se fortaleça perante seus potenciais candidatos.

A razão para isso é simples: há muitas instituições que ofertam cursos do tipo e, por isso, para conseguir se destacar no mercado, é fundamental que a IES invista em evidenciar as vantagens oferecidas para quem estuda nela, que motivos fazem com que a solidez do nome da IES seja notável, ou outros benefícios específicos.

Para isso, é essencial adotar estratégias de marketing educacional eficazes, o que ajuda a aumentar a presença da IES nas mídias digitais e a melhorar sua relevância diante do público-alvo.

2. Ofereça cursos híbridos ou a distância

Ofertar cursos de pós-graduação lato sensu nas modalidades de ensino híbrido ou a distância é uma forma de facilitar o acesso dos estudantes e reduzir os custos do curso. 

Grande parte do público interessado na educação continuada não dispõe de tempo livre para se dedicar a um curso de especialização. Dessa forma, a possibilidade de realizar o curso, total ou em parte, a distância é uma solução para que o aluno dê continuidade aos estudos. 

Além disso, o ensino a distância reduz os custos tanto para a IES quanto para os discentes. O valor investido em transporte e em instalações físicas, por exemplo, pode ser realocado para um ensino de maior qualidade. 

3. Incentive a educação continuada

Por fim, é fundamental que a IES incentive a educação continuada, ou o lifelong learning. É por meio dela que os estudantes entendem a importância da especialização para a melhora  do desempenho intelectual e profissional.

O principal benefício é que por meio do estudo contínuo, o futuro profissional terá muito mais chances de se destacar e alcançar estabilidade.

Como captar alunos para pós-graduação lato sensu?

Após considerar os três primeiros passos indicados acima para desenvolver um curso de pós-graduação lato sensu, o mais importante é investir na captação de alunos. Vimos a importância de garantir que a IES se destaque diante de outras ofertantes, portanto, é necessário investir em boas estratégias de captação, ainda que a procura pelos cursos da IES seja alta.

Para tanto, é possível investir em marketing educacional voltado à captação de alunos, que objetiva aumentar o reconhecimento da instituição e, assim, o número de estudantes matriculados.

Para garantir que o foco das estratégias de marketing educacional seja o mais acurado possível, é importante estruturar muito bem alguns passos, indicados abaixo. Esses passos podem ser o diferencial que levará a uma captação mais bem elaborada e produtiva. Confira!

1. Conheça as necessidades de seu público-alvo

Antes de qualquer planejamento, é fundamental estudar e entender as necessidades do público-alvo pretendido pela IES. Alguns pontos importantes a serem levados em consideração nesses estudos são, por exemplo: idade, gênero, ambições profissionais, áreas de interesse, faixa de renda, entre outros.

Uma análise aprofundada desses fatores pode ajudar a IES a entender para onde deve direcionar seus esforços na criação da campanha de captação. Além disso, a vantagem desse conhecimento começa bem antes: na própria estruturação dos cursos de especialização e MBA.

Conhecer bem o perfil dos estudantes apoia a IES na elaboração dos projetos pedagógicos, conteúdos programáticos, duração dos cursos, formas de avaliação, estrutura dos trabalhos de conclusão de curso, benefícios oferecidos, entre muitos outros.

2. Foque na empregabilidade

Vimos que uma das grandes necessidades dos estudantes de pós-graduação lato sensu é, justamente, aumentar a competitividade no mercado de trabalho e romper a lógica da dificuldade de ingressar na área de formação original.

Outros benefícios procurados por potenciais alunos é recolocar-se no mercado de trabalho em uma área diferente, buscar aumento salarial ou avançar na carreira de forma ampla, com base na construção de novas habilidades.

Por isso, a IES que deseja se destacar entre as campanhas de captação de alunos deve ter como foco a empregabilidade de seus estudantes, e mesmo as possibilidades de atualização e modernização das habilidades requeridas no mercado de trabalho.

Nesse sentido, vale, por exemplo, realizar pesquisas com alunos egressos para verificar as taxas de empregados e desempregados, e assim associá-las ao bom nome da instituição. Histórias de ex-alunos bem sucedidos também costumam ser bastante bem vistas em campanhas de captação.

3. Construa uma relação acessível com o público-alvo

Um bom marketing educacional direcionado à captação de estudantes envolve, necessariamente, a construção de uma relação produtiva, fácil e acessível entre potenciais candidatos e a IES. Em outras palavras: os estudantes devem se identificar com a proposta pedagógica e as vantagens oferecidas pela IES e, além disso, devem conseguir acessar todas as informações que desejam o mais fácil e rapidamente possível.

Para que isso ocorra, é necessário investir, principalmente, em dois pontos cruciais para a captação de alunos: a experiência do usuário nos sites e canais oficiais da IES e uma boa gestão das redes sociais.

O primeiro ponto diz respeito à experiência vivenciada pelo usuário no portal da IES e também em outros canais oficiais, como as próprias mídias digitais. Se as informações estiverem confusas, difíceis de acessar, as chances são maiores de que o estudante se irrite e desista de conhecer melhor sobre os cursos. Por outro lado, sites bem organizados e com navegação fácil e intuitiva tendem a atrair mais potenciais alunos.

O segundo ponto, não menos importante, diz respeito à gestão da comunicação eficiente nas redes sociais. Considerando que a grande maioria dos estudantes, hoje, estão totalmente imersos no mundo digital, é imprescindível investir na presença online da IES. Essa presença deve ser marcada por postagens que reforcem o bom nome da instituição, que gerem identificação nos estudantes e que busquem atender às necessidades e problemas enfrentados por eles.

4. Destaque as vantagens oferecidas pela IES

Por fim, é essencial indicar que uma boa campanha de captação de alunos para pós-graduação lato sensu deve estar ancorada nas vantagens oferecidas pela IES. Além das vantagens relacionadas aos pontos já mencionados, aqui entram também as facilidades relacionadas a valores de mensalidade, financiamentos, entre outros.

Assim, durante a campanha de captação, é bastante válido direcionar esforços para mostrar aos potenciais estudantes que a IES está disposta a ampará-los financeiramente, por meio de parcelamentos facilitados, programas de concessão de bolsas de estudo, entre outros.

Esperamos que este artigo te ajude a implementar cursos de pós-graduação lato sensu na sua instituição. Leia nosso próximo artigo e saiba como montar um curso de pós-graduação em sua IES!

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *