Rotação por estações: fotografia de um grupo de estudantes conversando e rindo sentados à mesa.

Saiba o que é e como desenvolver a rotação por estações no ensino superior

É sabido que nem todos os alunos absorvem o conteúdo a ser transmitido da mesma forma. Cada estudante possui uma estratégia diferente para seu processo de aprendizagem, tal processo pode ser dividido em 4 categorias: visual, auditivo, leitor e escritor e cinestésico. 

Desse modo, é importante pensar em metodologias que vão além do tradicional modelo de aula expositiva e que sejam capazes de incentivar o uso de mais de uma categoria, para atingir a totalidade do corpo discente. 

Torna-se necessário, então, transformar o aluno em protagonista da sua própria educação, gerando engajamento e uma postura mais ativa em relação ao aprendizado. 

Pensando nisso, a utilização de metodologias ativas é uma importante ferramenta para garantir que toda a turma participe e construa o processo de aprendizagem. 

Além disso, as metodologias ativas promovem o incentivo de características como proatividade, colaboração, pensamento interdisciplinar e resolução de problemas, valores importantes para o estudante

No artigo a seguir, iremos apresentar a rotação por estações, metodologia que incentiva a comunicação e colaboração entre os estudantes, fazendo uso de ferramentas tecnológicas e melhorando significativamente a absorção do conteúdo pedagógico. 

Iremos, também, explicar como se dá seu funcionamento para o ensino superior  e quais são os benefícios para a instituição de ensino. Confira! 

O que é rotação por estações?

A rotação por estações de aprendizagem é uma metodologia responsável por dividir a turma em grupos e criar um circuito na sala de aula. Cada “estação” deve incentivar alguma das categorias de aprendizado: visual, auditivo, leitor e escritor e cinestésico, fazendo uso de ferramentas tecnológicas para uma ou mais estações. 

O objetivo é fazer com que toda a turma, ou pequenos grupos de alunos, interajam com todas as estações, que serão planejadas conforme o conteúdo ministrado no dia letivo em questão. 

Assim, a rotação por estações de aprendizagem é um modelo de ensino que incentiva a colaboração, a comunicação e que trabalha mais de uma categoria de aprendizado, favorecendo o processo pedagógico na Instituição de Ensino Superior (IES). 

Como funciona?

A metodologia rotação por estações de aprendizagem funciona da seguinte maneira: 

  1. A turma de alunos é primeiramente dividida em diferentes grupos. Cada grupo será responsável por uma “estação”. 
  2. Cada estação deve receber uma tarefa diferente acerca do mesmo conteúdo, ou seja, todas estão ligadas pelo mesmo conteúdo – a matéria selecionada pelo docente. 
  3. É importante que cada estação trabalhe uma categoria de aprendizado diferente. Em uma estação, a leitura deve ser incentivada, em outra, é possível utilizar recursos visuais e tecnológicos, por exemplo. 
  4. A turma deve rotacionar por cada uma das estações planejadas, de forma que todos passem por todo o circuito. 
  5. Por fim, é importante que a turma avalie o circuito e demonstre como o aprendizado se concretizou. Para tanto, é possível organizar tarefas e ferramentas de feedback para o fim da atividade. 

Quais são os benefícios da rotação por estações?

Os benefícios advindos da utilização da metodologia são inúmeros. A rotação por estações de aprendizagem se apresenta como uma ótima maneira de resolver problemas, pois gera oportunidade para os discentes aplicarem seus conhecimentos e habilidades durante a realização do circuito. 

Ainda, a disposição do conteúdo considerando as diferentes formas de aprendizado, contribui para uma formação mais sólida e mais abrangente, tendo em vista o fato de que o processo de construção do conhecimento é diferente para cada um dos alunos. 

Além disso, a metodologia motiva a participação e interação da turma, pois promove desafios provenientes do trabalho em equipe. Esse dinamismo no processo de aprendizagem é responsável por desenvolver habilidades de comunicação e colaboração entre os estudantes, valores fundamentais não somente para a graduação mas também para o mercado de trabalho. 

Como desenvolver a metodologia na educação superior?

A metodologia de rotação por estações pode ser utilizada em todas as etapas da educação. No ensino superior, é importante considerar questões como acessibilidade e tempo. 

Por isso, separamos algumas dicas para ajudar na implementação: 

1. Selecione os recursos  disponíveis

O primeiro passo para implementar a metodologia é fazer um levantamento de quais recursos são disponibilizados pela IES. É importante destacar que o uso de tecnologias, leituras complementares e outros recursos que incentivam a participação ativa dos alunos são encorajados. 

Além disso, é necessário considerar o perfil da turma e questões de acessibilidade, para definir recursos que toda a turma possa utilizar e que garantam a inclusão. 

2. Incentive o planejamento de aula 

O plano de aula com metodologias ativas é a especificação dos conteúdos do plano de ensino, com previsão de serem aplicados no dia letivo. Ele é responsável por garantir o engajamento do aluno com a disciplina ministrada, já que é desenvolvido considerando o interesse do estudante no dia em questão. 

Assim, é importante que os coordenadores incentivem o planejamento da aula pelo docente, para que ele possa previamente preparar como a rotação por estações deve ser aplicada. 

Leia também: plano de aula com metodologia ativa: passo a passo para elaborar

3. Promova avaliações

O docente deve promover avaliações acerca do conteúdo aplicado e da efetividade da metodologia de rotação por estações. Assim, é importante aplicar testes ao final da atividade e incentivar feedbacks trazidos pelos discentes sobre a escolha da metodologia. 

Para tanto, ferramentas tecnológicas e debates entre a turma são incentivados. Ainda, a avaliação das atividades propostas deve se dar de forma a ultrapassar a ideia de atribuir notas. Ela precisa ser justificada, com detalhamento de cada ponto de erro do aluno, ajudando-o a humanizar o relacionamento com o professor e com a Instituição de Ensino e, consequentemente, a se envolver mais diretamente com a disciplina. 

O feedback trazido pelo docente deve detalhar os pontos positivos e negativos. Os “acertos” precisam ser enfatizados, para que o aluno se sinta encorajado a se aperfeiçoar. Já os “erros”, precisam se apresentar de forma detalhada e abrandada, com sugestões de como aprimorar a produção.

Esperamos que o artigo tenha sanado todas as dúvidas acerca da rotação por estações de aprendizagem. Que tal aproveitar para conhecer mais sobre outra metodologia ativa? Veja tudo o que você precisa saber sobre a aprendizagem baseada em projetos!

 

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *