Sala de aula invertida: fotografia de pessoas anotando e discutindo em uma sala de aula.

Saiba o que é, benefícios e como funciona a sala de aula invertida

Muito se fala sobre como o ensino mudou nos últimos anos, como os professores mudaram seus métodos e como instituições de ensino não são mais as mesmas. Porém, outro fator importante transformou a educação: a sala de aula. 

A forma de aprender ganhou mais dinamismo com as metodologias ativas de ensino, um exemplo delas é a sala de aula invertida.

Para falar mais sobre essa metodologia, elaboramos este artigo para você compreender melhor o que é a sala de aula invertida, qual o papel dos professores, os seus benefícios e como ela pode ser aplicada no ensino superior. Continue a leitura! 

O que é a sala de aula invertida?

A sala de aula invertida surgiu nos anos 90, por meio de pesquisas realizadas nas universidades americanas de Harvard e Yale. Em 2000, J. Wesley Baker apresentou um modelo de educação inovador com o nome de Flipped Classroom.

Desde então, essa metodologia tem sido aplicada em várias instituições de ensino superior. 

Esse conceito inverte a lógica tradicional das aulas. Nesse sentido, o aluno faz em casa o que é feito em sala. Consequentemente, realiza em sala o trabalho, atividades e projetos que eram feitos em casa. 

Essa metodologia faz com que o estudante chegue na sala com o conteúdo da disciplina em mente, pronto para aproveitar ao máximo o tempo de aula e o seu aprendizado.

A sala de aula invertida é uma variação da aprendizagem semipresencial, ou seja, une o presencial e o online, utilizando as tecnologias para proporcionar uma experiência de aprendizagem autônoma.

O interessante desse método é o estabelecimento de relações mais próximas entre discentes e docentes, em que o primeiro não é mais um mero receptor passivo do conhecimento e o professor não é somente um transmissor.

A seguir, vamos abordar com mais detalhes o papel do professor.

Qual é o papel do professor na sala de aula invertida?

Se o perfil do aluno e os recursos disponíveis para realizar uma aula modificaram, o papel do professor também mudou. 

Sendo assim, no contexto da sala de aula invertida, o docente passa a atuar como um guia, sem deixar que a aula expositiva desapareça por completo, pois ela permanece com o auxílio de diversos materiais tecnológicos.

A utilização de tais ferramentas tem por objetivo garantir que o estudante memorize conceitos, mas também saiba aplicá-los em muitas situações.

Portanto, a aprendizagem ativa é construída e o professor é um grande agente dessa construção, uma vez que ele:

  • auxilia o aluno na busca do aprendizado; 
  • percebe as necessidades de cada turma;
  • certifica que cada turma tenha acesso aos materiais e estímulos adequados;
  • facilita a aprendizagem;
  • leva o aluno a problematizar o que foi aprendido;
  • concretiza o conhecimento.

Banner de divulgação do ebook gratuito "Tendências 2021 para o ensino superior". Link para download: https://materiais.saraivaeducacao.com.br/lp-ebook-tofu-tendencias-2021?utm_source=blog-saraiva-educacao&utm_medium=banner-artigo&utm_campaign=material-rico

Quais são os benefícios da sala de aula invertida?

Você já compreendeu que essa metodologia de ensino faz com que o aluno estude a matéria antes da aula acontecer para obter um melhor aproveitamento da aprendizagem em sala.

Acompanhe mais alguns benefícios que essa abordagem apresenta:

1. Flexibilidade

Ao considerar que o estudante passa a administrar sua agenda de estudos, podemos entender que ele desenvolve mais autonomia e responsabilidade sobre seu processo de aprendizagem.

Fora isso, essa modalidade permite flexibilidade para que os participantes estudem a parte teórica nos momentos de sua preferência, conforme o seu ritmo e pelo formato que julgam ter mais facilidade para assimilar o conteúdo proposto.

2. Otimização de tempo

A otimização do tempo é uma grande vantagem da sala de aula invertida. Existe uma diferença gigantesca quando o conteúdo é exposto no mesmo momento de aprendizagem dos estudantes e quando eles já estudaram sobre o assunto antes. 

Assim, com o contato prévio sobre o conteúdo, o aluno pode promover debates mais produtivos, com maior profundidade em sala. Portanto, ele aprende muito mais.

3. Valorização do professor

O papel do professor é muito mais valorizado com essa metodologia, já que o aluno vai atrás da sua aprendizagem e necessita de um orientador. 

O docente precisa indicar os caminhos que o estudante precisa percorrer até o conhecimento, esclarecendo as dúvidas de cada um, estimulando a interação entre a turma e trabalhando o conteúdo com atividades práticas e estudos de caso.

4. Desenvolvimento de aulas mais tecnológicas e participativas

Com os alunos mais engajados e motivados, as aulas passam a ser mais dinâmicas, pois os alunos vão para a sala dispostos a debater, levar mais informações, opinar, expor suas críticas e dúvidas sobre a matéria.

Isso é possível pois o conteúdo é acessado em casa por diferentes tecnologias. Logo, tanto aluno quanto professor são estimulados a conhecer e usar as ferramentas digitais.

Vale ressaltar que o uso de recursos tecnológicos não é a única condição para o desenvolvimento da sala de aula invertida. Ela também pode ser feita por meio de uma leitura prévia, antes de ocorrer um debate programado em sala de aula.

Como aplicar a sala de aula invertida no ensino superior?

O processo de inversão da sala de aula exige do professor e da Instituição de Ensino Superior (IES) a elaboração de algumas tarefas importantes. Vejamos cada uma delas:

1. Elaborar uma proposta de pesquisa

Nessa etapa, o professor deve elaborar uma proposta de pesquisa que desperte a curiosidade dos alunos.

Ele pode enviar um conteúdo com uma breve introdução sobre o assunto para os estudantes, explicando as atividades que serão realizadas e as informações que os alunos precisam saber.

2. Estimular a pesquisa em casa

Aqui, os alunos necessitam buscar o conhecimento necessário para entender sobre o tema passado pelo professor. 

É importante orientá-los quanto aos conteúdos, os recursos digitais em que eles podem fazer as pesquisas, mas também deixá-los livres para buscar as informações.

Leia também: tudo o que você precisa saber sobre biblioteca digital

3. Validar o conhecimento

Além de orientar as pesquisas, o professor também pode apresentar questões para os alunos responderem a partir do conhecimento adquirido.

Isso permite que eles pesquisem e acessem informações corretas para o trabalho.

4. Aprofundar o conteúdo 

No momento da aula em sala, os alunos levam as suas conclusões realizando apresentações, debates, apresentando vídeos, entre outras possibilidades de discussão. O professor e demais colegas podem aprofundar questões sobre o assunto. 

É importante mostrar visões não abordadas nas discussões para ampliar o aprendizado e despertar a curiosidade dos estudantes.

5. Avaliar

Na sala de aula invertida é muito importante o feedback do professor para garantir se o aprendizado foi efetivo. 

O momento de avaliar serve para verificar se a aula trouxe conhecimento para os alunos. É também um ótimo diagnóstico para saber o que deu certo e o que pode ser melhorado para as próximas aulas.

Esperamos que você tenha entendido melhor a sala de aula invertida e como ela pode ser desenvolvida no ensino superior. Aproveite para conferir agora o nosso artigo com dicas sobre como aplicar as metodologias ativas na prática!

1 responder
  1. Ana Ozatski
    Ana Ozatski says:

    É uma metodologia que valoriza muito o ensino! O aluno fica estimulado com as experiências compartilhadas! Fica mais seguro quanto aos conteúdos! A prática, é a melhor maneira de aprender, desde que esses conteúdos, já estejam armazenados! No final vemos uma somatória de conceitos!

    Responder

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *