O ponto de virada da transformação digital na educação

Como sobreviventes em um mundo pós-apocalíptico, estudantes, educadores e profissionais da educação contabilizam perdas e ganhos que o ano de 2020 trouxe. Para além da crise sanitária, os ensinos básico e superior sofreram com desafios sem precedentes, sobretudo por conta do fechamento definitivo de salas de aulas e a migração repentina e desordenada para o modelo remoto de educação.  

Quando a questão é acesso, o impacto é enorme e de longo prazo. Os dados da Organização Internacional do Trabalho confirmam essa conclusão: a pandemia negou estudo a 70% dos jovens entre 18 e 29 anos. A pesquisa entrevistou 12 mil jovens em 112 países. Entre os destaques do relatório, 51% dos entrevistados afirma que a crise vai atrasar a sua formação e 65% afirmaram que aprenderam menos.  

Do ponto de vista docente, os desafios também são inúmeros. E suas dores são frequentemente as mesmas dos estudantes: faltam letramento digital, estrutura de internet de qualidade e conhecimento entre as ferramentas digitais necessárias para manter, no mínimo, o essencial dos compromissos letivos. Nessa tentativa de correr contra o tempo, e se adaptar ao online, muitos também viram suas jornadas de trabalho se alongarem. A pesquisa “Trabalho docente em tempos de pandemia”, feita com mais de 15 mil professores, apontou que para 82% deles houve aumento de tempo trabalhado, por conta da atuação remota (UFMG e CNTE) 

Diante deste cenário, é possível dizer que a pandemia em 2020 acelerou o processo de transformação digital no setor educacional?  

O voo das edtechs

Do ponto de vista dos negócios, as startups de educação tiveram o momento como um trampolim, impulsionando sua atuação. Segundo a Abstartups (Associação Brasileira de Startups), houve crescimento no número de empresas do tipo. A maior parte delas (70%) são do segmento de educação básica, que foca nos anos escolares de formação.  

Entre serviços de capacitação de professores, aplicativos de conteúdo e leitura digital, há um consenso sobre a maior abertura à transformação digital em instituições de ensino, ainda que esta curva de implantação seja lenta.  

O auge das videoaulas síncronas

Com a migração rápida para as aulas remotas, os aplicativos de chamadas de vídeo vivem um pico na quantidade de usuáriosO Zoom experimentou um crescimento de 1123% ao longo da pandemia, impulsionado pelo home office implementado por diversas empresas do mundo todo, além de apoiar instituições educacionais e seus professores. Até maio de 2020, o uso do MicrosofTeams havia quadruplicado e em abril o Google Classroom já havia dobrado a quantidade de acessos de sua plataforma de disponibilização de conteúdo educacional.  

EaD em alta

A modalidade de Educação a Distância já estava ascendente antes da pandemia. Em 10 anos (de 2009 a 2019) o número de estudantes do EaD aumentou quase 5 vezesFoi um crescimento de 378,9% de matrículas neste segmento, de acordo com o Inep. Há inúmeros motivos que impulsionam a preferência por esse modelo, como a flexibilidade e o custo-benefício.  

O panorama econômico resultante do cenário de covid-19 também influenciou nesse aspecto: com o desemprego em alta, há uma preocupação em manter os estudos, algo que ainda não pode acontecer presencialmenteAinda que haja uma perda de renda, 94% dos estudantes manifestou que quer continuar estudando segundo pesquisa da ABMES (Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior) com a Educa Insigths 

Leia também: saiba as principais informações sobre o ensino superior a distância no Brasil 

 O ano de 2020 foi o ponto de virada?

Todos esses fatores demonstram que o processo de transformação digital na educação está em curso e não tem voltaPor outro lado, mesmo que a pandemia do novo coronavírus tenha acelerado a migração para modelos digitais, ainda há um longo caminho pela frente. As diversas dificuldades enfrentadalevantam inúmeras lições aprendidas.  

A principal conclusão, endossada por especialistas da área, é a velha premissa de que quantidade não necessariamente implica em qualidade. Ainda que mais professores e estudantes tenham utilizado mais ferramentas digitais ao longo do turbulento calendário letivo, assegurar uma boa experiência de ensino e aprendizagem envolve inúmeras melhorias na aplicação desses recursosNa maioria dos casos, não importa muito a tecnologia em si, mas o uso pedagógico que se faz dela.  

Antes de mais nada, será preciso compreender como incorporar as tecnologias digitais nos projetos pedagógicos e planos de aula de modo permanente, e não como paliativos no contexto de pandemia. A implementação de ferramentas tecnológicas por si só não garante que os problemas e dores de educadores e estudantes tenham sido superados. E este é o verdadeiro ponto de virada: garantir que esses recursos digitais inovadores resolvam questões reais, colocando estudantes e professores no centro do debate.  

Sobre este artigo  

Para quem chega por aqui agora, aproveito a oportunidade para me apresentar: sou a Isabella Sánchez, especialista em Educação e Tecnologia aplicada à Educação pela Ufscar, com ênfase em Gestão da Educação à Distância e Produção e Uso de Tecnologia na Educação. Também sou formada em Letras pela USP e Comunicação Social (Jornalismo) pela Faculdade Cásper Líbero.  

Atualmente gerencio os times de conteúdo das soluções digitais da Saraiva Educação e dos conteúdos de doutrina do selo editorial Saraiva Jur. Produzimos materiais pedagógicos para instituições de ensino superior e livros de Direito para estudantes, professores e profissionais jurídicos. Saiba mais aqui! 

Pretendo abordar aqui, periodicamente, os principais assuntos e reflexões sobre o universo da educação superior. Seja muito bem-vindo e volte sempre! 

Banner de divulgação do ebook gratuito "Tendências 2021 para o ensino superior". Link para download: https://materiais.saraivaeducacao.com.br/lp-ebook-tofu-tendencias-2021?utm_source=blog-saraiva-educacao&utm_medium=banner-artigo&utm_campaign=material-rico

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *