Psicologia positiva: fotografia de um estudante sorrindo enquanto utiliza o computador.

A importância da psicologia positiva no processo de ensino

Embora seja mais aplicada na educação básica, a psicologia positiva também pode ser vista como uma grande aliada no processo de ensino de cursos de graduação e pós-graduação do Brasil.

Em um contexto em que 76% dos universitários do país afirmam que tiveram sua saúde mental afetada pela pandemia, como apontou a pesquisa Global Student Survey, torna-se cada vez mais necessário que as instituições passem a promover a psicologia positiva em suas disciplinas.

Quando bem aplicada, essa abordagem auxilia os alunos a viverem uma vida pessoal, acadêmica e profissional mais plena, assim como ajuda a melhorar o desempenho dos professores. Para saber mais sobre como esse movimento da psicologia pode impactar positivamente o processo de ensino, continue lendo este artigo.

Qual é o conceito de psicologia positiva?

A psicologia positiva é a área que se dedica ao estudo empírico do sucesso e bem-estar e dos elementos que podem levar a felicidade para as pessoas. Seus objetivos principais são identificar e potencializar os pontos fortes e virtudes dos seres humanos para que tenham uma vida plena e, assim, permitir que elas prosperem junto a sua comunidade.

Embora o termo tenha sido utilizado pela primeira vez por Abraham Maslow em seu livro Motivação e Personalidade, de 1954, a psicologia positiva se tornou um movimento relevante apenas no final dos anos 90, por meio das pesquisas do psicólogo Martin Seligman.

Por acreditar que a psicologia clínica estava muito voltada para doenças mentais e tratamentos medicamentosos, Seligman passou a realizar pesquisas focadas em fatores positivos e na construção de uma vida plena. Ele também incentivou os profissionais da área a focar no estudo científico do otimismo e da prosperidade.

Em seus estudos, Seligman desenvolveu a teoria do bem-estar, que hoje é conhecida pelos cinco princípios fundamentais da psicologia positiva e considerados a base para uma vida feliz. São eles:

  1. Emoção positiva
  2. Engajamento
  3. Relacionamentos
  4. Sentido
  5. Realização

Quando esses princípios são aplicados nas instituições de ensino, os educadores podem utilizar a psicologia positiva para potencializar o crescimento dos alunos e ajudá-los a prosperar em suas carreiras. Entenda melhor a seguir.

Por que a psicologia positiva é importante para o processo de ensino?

A pesquisadora Barbara Fredrickson afirmou em seu livro “Positividade” – obra que é referência na área de psicologia positiva – que “emoções positivas como alegria, otimismo e esperança fortalecem os recursos intelectuais, físicos e sociais.”.

Pensando assim, a psicologia positiva pode ser aplicada nas instituições de ensino com o objetivo de ajudar os alunos a se engajarem de forma cognitiva, emocional e social durante a experiência de ensino.

Mas não são apenas os alunos que podem se beneficiar dela. Como vimos, a psicologia positiva também visa a prosperidade da comunidade como um todo. Isso significa que, se aplicada no ambiente universitário, ela também se estende ao corpo docente e ao ambiente acadêmico.

Veja alguns fatores que tornam a aplicação da psicologia positiva importante para o processo de ensino.

Colabora para o aumento do aproveitamento

Quando as pessoas compreendem suas emoções e aprendem a lidar com elas, conseguem ter muito mais foco em suas atividades, e isso se aplica muito à vida acadêmica. Ao conviverem de forma mais positiva com seus sentimentos, suas relações e adversidades, os alunos podem se engajar mais e se dedicar de forma muito mais saudável aos estudos.

Ajuda a formar profissionais mais preparados

Já vimos que alunos que estão emocionalmente bem são capazes de aprender mais, porém, sabemos que o mercado espera mais do que habilidades técnicas. A psicologia positiva, quando aplicada na sala de aula, também colabora para o desenvolvimento de habilidades comportamentais (soft skills).

Logo, competências como gerenciamento de tempo, otimismo e a capacidade de lidar com desafios contribuem muito para que os alunos saiam do ensino superior preparados para se destacarem em suas áreas de atuação.

Melhora o ambiente acadêmico

Pesquisas realizadas pelas especialistas em psicologia do bem-estar, Toni Noble e Helen McGrath, mostram que relações positivas, respeitosas e de apoio entre professores e estudantes colaboram muito para um ambiente positivo. Essas relações resultam no aumento da frequência, engajamento e resiliência dos alunos.

Por meio da psicologia positiva, os professores são capazes de ter um relacionamento de confiança com os estudantes, auxiliá-los no desenvolvimento de seus pontos positivos, identificar seus pontos fracos e trabalhar para melhorá-los.

Além disso, quando os estudantes vivenciam boas experiências de aprendizagem, ficam mais inclinados a compartilhá-las com outras pessoas. Portanto, além de ajudar os alunos a terem resultados melhores, professores que trabalham com a psicologia positiva dentro da sala de aula também estão ajudando a instituição de ensino a ter uma melhor reputação na comunidade.

Concluindo, por meio da psicologia positiva, o processo de ensino nas instituições de ensino pode proporcionar um balanço entre o bem-estar dos alunos e seu sucesso profissional e acadêmico. Essa é uma conversa importante para garantir que a passagem pelo ensino superior não seja apenas sobre a certificação, mas também seja uma experiência transformadora para suas carreiras. 

Este artigo foi produzido pela equipe do Blog Portal Pós.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *