Ensino híbrido, desafios e oportunidades: fotografia de uma mulher estudando pelo notebook e sorrindo.

Ensino híbrido: desafios e oportunidades para aplicação no ensino superior

O ensino híbrido já era apontado como uma tendência na educação mundial há alguns anos. Mas, em 2020, ele apareceu como uma grande solução para a educação contemporânea, especialmente considerando as adversidades que enfrentamos nos últimos tempos.

Entretanto, da mesma forma que o ensino híbrido apresenta diversas possibilidades animadoras para o cenário da educação brasileira, ainda há muitas dificuldades a serem superadas.

Continue a leitura e saiba mais sobre o ensino híbrido, desafios e oportunidades para as Instituições de Ensino Superior (IES).

Definição: o que é ensino híbrido

Também conhecido como blended learning ou educação semipresencial, o ensino híbrido mescla estratégias e ferramentas da Educação a Distância (EaD) e da presencial tradicional.

Nesse contexto, a educação passa a ser mais personalizada e oferece maior autonomia ao aluno, por suas características remotas. E as atividades presenciais seguem a estimular a interação, os debates e os trabalhos em grupo dos alunos. 

Assim, o ensino híbrido é capaz de reorganizar tanto o espaço e tempo de aula, quanto o papel do professor e do aluno.

A importância do Ensino Híbrido nas IES

A Portaria Nº 1.428, publicada no fim de 2018, permite que até 40% da carga horária de cursos presenciais sejam executadas em formato EaD. Essa ação já permitiu que diversas Instituições de Ensino Superior passassem a ter mais liberdade na adoção de modelos híbridos de educação.

E aquelas instituições que ainda não exploravam essas possibilidades foram obrigadas a se remodelar em 2020, para lidar com as mudanças no ensino geradas pelo Covid-19. 

Logo, no contexto atual a educação híbrida ganha ainda mais importância, uma vez que ela representa uma das soluções para a retomada e continuidade das aulas agora e nos próximos meses.

E mesmo com a volta do ensino presencial, o blended learning ainda aparece como uma opção considerável no pós-pandemia. Isso porque ela traz diferentes benefícios, tanto para as IES quanto para os alunos. Entre as vantagens do ensino híbrido estão:

  • redução de custos;
  • maior autonomia para os alunos;
  • otimização do tempo dos professores;
  • melhor aproveitamento das aulas;
  • maior engajamento;
  • maior flexibilidade nos modelos de ensino, entre outros.

Ensino híbrido: desafios e oportunidades

A implantação do ensino híbrido pode resultar em diferentes benefícios, como vimos acima, e também abre portas para diferentes oportunidades. Entretanto, também são muitos os desafios a serem superados para uma implementação de sucesso do blended learning.

Em 2017, o Instituto Clayton Christensen (Clayton Christensen Institute – CCI) organizou uma investigação sobre o ensino híbrido em 250 instituições privadas em 3 países em desenvolvimento: Brasil, Malásia e África do Sul. A pesquisa tinha como objetivo avaliar e desenvolver projetos para aprendizagem online.

O CCI é uma organização sem fins lucrativos que se dedica ao desenvolvimento mundial por meio da Inovação Disruptiva desde 1952. 

Em sua pesquisa de 2017, a instituição mapeou o ensino híbrido, oportunidades e desafios no contexto Brasileiro. E mesmo já tendo se passado alguns anos, essa pesquisa ainda é considerada atual e traz pontos relevantes. Continue a leitura e saiba mais!

As oportunidades do ensino híbrido

No relatório do CCI, o uso de tecnologias adaptadas à realidade dos estudantes é apresentado como uma das soluções para melhorar os índices da educação do Brasil, que nos últimos anos estão abaixo da média geral da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) em áreas como Ciência, Leitura e Matemática.

Além disso, as tecnologias adaptadas também aparecem como uma forma de de melhorar o engajamento dos alunos nas salas de aula. Assim, é possível perceber que as tecnologias digitais combinadas com a educação presencial tradicional podem potencializar a qualidade educacional no país, bem como otimizar o aproveitamento dos alunos nas IES.

Mas as principais oportunidades da educação híbrida no Brasil estão relacionadas à possibilidade de personalização desse tipo de ensino. Isso porque não existe um único modelo ideal para aplicar esse tipo de metodologia.

Os modelos do ensino híbrido podem ser divididos entre sustentados e disruptivos. Os sustentados são aqueles em que os alunos estão presentes em sala de aula. Já os modelos disruptivos não necessitam da presença dos estudantes em sala para funcionarem.

Os modelos podem ser aplicados de acordo com as necessidades e possibilidades de cada escola. Assim, é possível personalizar a experiência de educação híbrida.

Há alguns anos, o modelo sustentado era o mais defendido por especialistas brasileiros. Entretanto, hoje já é possível inserir modelos disruptivos da educação híbrida no Brasil.

Os desafios do ensino híbrido e como superar

O relatório da CCI sobre o ensino híbrido em países em desenvolvimento descreveu também alguns obstáculos que devem ser enfrentados. Entre eles estão:

  • falta de entendimento quanto aos modelos de ensino híbrido;
  • o uso de conteúdo e materiais de qualidade;
  • currículos não integrados à prática de blended learning;
  • déficit de capital humano e infraestrutura.

Mas calma, há formas de solucionar e superar esses desafios! Treinamentos e qualificações para professores e profissionais da educação devem fazer parte dos primeiros passos a serem tomados nesse contexto. A elaboração de conteúdos personalizados e específicos para o ensino híbrido em trilhas de aprendizado também são de grande ajuda.

Além disso, as parcerias entre IES e soluções de tecnologia são muito importantes para solucionar os desafios do ensino híbrido no país. Elas são capazes de oferecer maior segurança e confiabilidade para os alunos e docentes, bem como facilitar a aplicação de metodologias e atividades de blend learning.

Com as soluções tecnológicas de ensino híbrido, as IES podem desenvolver disciplinas online para os cursos EaD e presenciais com maior facilidade. E a elaboração de trilhas de aprendizagem por meio das plataformas digitais de aprendizagem também é otimizada.

Como vimos, o cenário brasileiro de ensino híbrido, desafios e oportunidades está sendo desenvolvido e investigado já há alguns anos. E apesar dos grandes obstáculos que enfrentamos, há formas de aplicar o blended learning nas IES brasileiras, aproveitando as possibilidades desse tipo de ensino. Para saber como uma solução tecnológica pode auxiliar nesse percurso, que tal descobrir mais sobre as plataformas disponíveis no mercado brasileiro? Acesse agora nosso conteúdo especial sobre o assunto conheça as 8 melhores plataformas de ensino online para a sua IES!

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *